Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.925,60
    -1.560,41 (-1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.457,55
    -227,31 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,34
    +0,12 (+0,15%)
     
  • OURO

    1.816,20
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    16.964,98
    -215,58 (-1,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    401,44
    -4,71 (-1,16%)
     
  • S&P500

    4.076,57
    -3,54 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    34.395,01
    -194,76 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.558,49
    -14,56 (-0,19%)
     
  • HANG SENG

    18.736,44
    +139,21 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    28.226,08
    +257,09 (+0,92%)
     
  • NASDAQ

    12.042,50
    -20,25 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4667
    +0,0702 (+1,30%)
     

Credit Suisse quer captar bilhões em reorganização que prevê demissões e novo foco

Logotipo do banco suíço Credit Suisse é visto em Zurique

Por Noele Illien e Oliver Hirt e John O'Donnell

ZURIQUE (Reuters) - O Credit Suisse planeja levantar 4 bilhões de francos suíços (4 bilhões de dólares) com investidores, cortar milhares de empregos e mudar o foco do seu negócio de banco de investimento para clientes ricos, enquanto tenta deixar para trás anos de escândalos.

O banco suíço detalhou nesta quinta-feira o que o presidente do conselho de administração, Axel Lehmann, chamou de "plano para o sucesso", após a instituição registrar um prejuízo inesperado de 4 bilhões de francos suíços no terceiro trimestre.

O anúncio do novo plano veio após semanas tensas para o banco e gerou reação negativa dos investidores. As ações do Credit, que atingiram mínimas históricas nas últimas semanas, caíram até 16% nesta quinta-feira antes de reduzir as perdas. Por volta de 10h (horário de Brasília), os papéis cediam 13%.

Analistas disseram que muitas questões permanecem em aberto.

"Você sai com a sensação de que eles foram apressados ​​a divulgar (a novidade) nesta manhã com um plano profundamente incompleto", escreveram analistas do Goldman Sachs, acrescentando que as metas "improvavelmente baixas" serão batidas.

"Execução resoluta e nenhum outro erro serão fundamentais, e levará tempo até que os resultados comecem a aparecer", disse Andreas Venditti, analista da Vontobel.

O Credit Suisse disse que os clientes retiraram recursos nas últimas semanas em um ritmo que fez o banco violar alguns requisitos regulatórios de liquidez, ressaltando o impacto nos negócios de oscilações de mercado e uma tempestade nas redes sociais.

O grupo, entretanto, acrescentou que sua situação é estável.

O plano de reestruturação tem muitos elementos, desde o corte de empregos até a reorientação do negócio.

O Credit Suisse cortará 2.700 empregos, ou 5% da força de trabalho, até o final deste ano e mais cerca de 9.000 até o final de 2025, ficando com cerca de 43.000 funcionários.

O banco suíço também disse que pretende separar seu banco de investimentos para criar o CS First Boston, unidade focada em trabalhos de consultoria, como fusões e aquisições e arranjos de transações no mercado de capitais.

O banco prevê a venda de uma participação no novo negócio, mas mantendo cerca de 50%, disse uma pessoa familiarizada com o assunto. O Credit ainda está explorando a possibilidade de uma oferta pública inicial de ações (IPO) da unidade, disse outra fonte familiarizada com o assunto.

INFLUÊNCIA SAUDITA

O Saudi National Bank (SNB), de propriedade majoritária do governo da Arábia Saudita, disse que investirá até 1,5 bilhão de francos no Credit Suisse para ter uma participação de até 9,9% e deverá investir no banco de investimento.

A medida reforça a influência saudita em um dos bancos mais conhecidos da Suíça. O Olayan Group, um dos maiores conglomerados familiares sauditas, com uma carteira de investimentos multibilionária, também possui uma participação de 5% no Credit Suisse.

A Autoridade de Investimentos do Catar - que detém cerca de 5% do banco suíço - não comentou se planeja comprar ações.

A consultoria Ethos Foundation disse estar desapontada por ter demorado tanto para o Credit Suisse seguir um caminho que o rival UBS já havia tomado, de aumentar o foco na gestão de patrimônio, enquanto reduz o banco de investimento.

A Ethos criticou o banco por deixar o SNB obter uma grande participação a um preço de barganha, acrescentando: "Este plano é dramático para os atuais acionistas, que sofrerão um efeito de diluição muito significativo".

O Credit Suisse disse que criará uma unidade para encerrar negócios não estratégicos e de alto risco, enquanto anunciou planos de venda de grande parte de seus negócios de produtos securitizados para um grupo de investidores liderado pela Apollo.

O banco também encerrará alguns negócios de trading em mercados emergentes e renda variável.

O forte prejuízo do Credit Suisse no terceiro trimestre deveu-se em grande parte a baixas relacionadas à reestruturação do banco de investimento, incluindo ajustes para créditos fiscais perdidos.

Analistas do JPMorgan disseram que "permanecem pontos de interrogação" sobre a reestruturação do banco de investimento. Eles ainda afirmaram que a venda de ações também deve pressionar os papéis do banco na bolsa.

A reformulação, com o objetivo de superar a pior crise do banco em sua história, é a terceira tentativa nos últimos anos de sucessivos presidentes-executivos para recuperar o grupo.

(Reportagem adicional de Michael Shields, em Zurique, e Yousef Saba, em Dubai)