Mercado abrirá em 9 h 13 min
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,90
    +0,52 (+0,82%)
     
  • OURO

    1.774,60
    +4,00 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    54.677,94
    -2.398,58 (-4,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.246,23
    -52,73 (-4,06%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.123,30
    +17,15 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    29.150,71
    -534,66 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.924,50
    +27,25 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6915
    +0,0158 (+0,24%)
     

Cratera considerada a mais antiga do mundo não surgiu de um impacto, diz estudo

Natalie Rosa
·2 minuto de leitura

Uma cratera em Maniitsoq, Groenlândia, que mede mais de 100 quilômetros, por anos foi classificada como a cratera de impacto mais antiga do planeta. No entanto, segundo estudos recentes, o buraco chamado Archean Maniitsoq não é o resultado da queda de um meteorito, mas sim de reações naturais do solo da região.

Pesquisadores internacionais da Universidade de Waterloo, do Canadá, analisaram a estrutura e encontraram algumas características que se distanciam da ideia de que a cratera foi criada a partir de um impacto. Foram feitas análises combinando o mapeamento de campo com dados de datação das rochas e com técnicas de análise química geológica.

O estudo mostrou, portanto, que a estrutura de mais de três bilhões de anos se trata do resultado dos mesmos processos geológicos que aconteceram ao seu redor. Chris Yakymchuk, pesquisador líder do estudo, conta que cristais de zircônia nas rochas funcionam como pequenas cápsulas do tempo, revelando quais foram os danos que teriam sido provocados pelo impacto de um meteorito. "Não encontramos nenhum dano neles", revela.

<em>Gelo da Groenlândia (Imagem: Reprodução/NASA)</em>
Gelo da Groenlândia (Imagem: Reprodução/NASA)

Além disso, diversas partes das rochas derreteram e foram recristalizadas na profundidade da Terra, processo que é chamado metamorfismo. Isso deveria ter acontecido quase que de forma instantânea após impacto, mas os pesquisadores contaram que aconteceu apenas 40 milhões de anos depois do que teria sido proposto anteriormente por outros cientistas.

"Concluímos que as características são inconsistentes com o impacto de um meteorito", conta Yakymchuk. "Mesmo decepcionados que não estávamos trabalhando com uma estrutura formada pelo impacto de um meteorito no planeta há cerca de 3 bilhões de anos, a ciência está avançando no conhecimento através da descoberta e no entendimento de que a história antiga da Terra continua evoluindo", afirma.

A primeira vez em que a possibilidade de a cratera ser o resultado de um impacto de bilhões de anos atrás aconteceu em 2012, mas desde o início ainda existiam algumas dúvidas sobre o processo da sua formação, o que acaba de ser comprovado.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: