Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,82 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,96 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,39
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.851,80
    +13,70 (+0,75%)
     
  • BTC-USD

    45.131,69
    -2.722,25 (-5,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.248,41
    -110,15 (-8,11%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,73 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.022,67
    -61,80 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    13.373,50
    -13,50 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3993
    -0,0047 (-0,07%)
     

Crítico ao governo, Renan Calheiros deve relatar CPI da Pandemia

Julia Lindner
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA - O senador Renan Calheiros (MDB-AL) tem o apoio da maioria dos integrantes da CPI da Pandemia para ocupar o cargo de relator da investigação. Crítico ao governo Jair Bolsonaro, ele conta com o respaldo de seis dos 11 integrantes da comissão, segundo relatos feitos ao GLOBO. Na função, caberia a Renan dar o rumo aos trabalhos e produzir o texto final, que pode ser encaminhado ao Ministério Público e a outros órgãos de controle.

Na noite de anteontem, um dia após a criação do colegiado, metade dos indicados para a comissão se reuniram para tratar da presidência e da relatoria. Estiveram presentes Renan Calheiros, Eduardo Braga (MDB-AM), Otto Alencar (PSD-BA), Humberto Costa (PT-PE), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Tasso Jereissati (PSDB-CE). No encontro, concluíram que Renan teria os votos necessários para assumir a relatoria, apesar da resistência de governistas, que são minoria.

Apesar disso, o grupo majoritário, formado por oposicionistas e independentes, enfrenta um impasse para fechar um acordo sobre quem será o presidente da CPI, que, por sua vez, é o responsável por indicar o relator. O principal cotado é o senador Omar Aziz (PSD-AM), que faz parte da segunda maior bancada da Casa, mas a opção ainda não é consensual. Para evitar um oposicionista declarado, o governo também trabalha pelo nome de Aziz nos bastidores.