Mercado fechará em 4 h 27 min
  • BOVESPA

    108.672,57
    -1.673,25 (-1,52%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.996,14
    -380,75 (-0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,19
    -0,10 (-0,09%)
     
  • OURO

    1.865,80
    +18,00 (+0,97%)
     
  • BTC-USD

    29.078,57
    -1.336,81 (-4,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    648,07
    -7,75 (-1,18%)
     
  • S&P500

    3.886,78
    -86,97 (-2,19%)
     
  • DOW JONES

    31.433,87
    -446,37 (-1,40%)
     
  • FTSE

    7.490,92
    -22,52 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    20.112,10
    -357,96 (-1,75%)
     
  • NIKKEI

    26.748,14
    -253,38 (-0,94%)
     
  • NASDAQ

    11.626,50
    -408,75 (-3,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2046
    +0,0569 (+1,11%)
     

Crítica A Princesa da Yakuza │ A máfia japonesa com sotaque brasileiro

·5 min de leitura

É tão raro vermos um filme de ação nacional mais puxado para a fantasia que A Princesa da Yakuza logo salta aos olhos. Longe dos debates sociais que o cinema brasileiro tanto gosta de tratar, ter uma história escapista de máfia e samurais no meio de São Paulo é algo que chama a atenção de imediato.

Baseada na HQ Samurai Shirô, do brasileiro Danilo Beyruth, o novo filme da Netflix usa a maior cidade do país como palco de uma clássica história de Yakuza, repleta de mafiosos mal encarados, traições, disputas por poder, espadas e um forte apego a tradições. É uma mistura curiosa que funciona, apesar de vários tropeços no caminho.

Isso porque a premissa básica do longa é realmente muito boa. A ideia de ter um braço da yakuza no meio de São Paulo e isso desencadear uma guerra no submundo oriental da cidade é algo tão fantasioso que se torna charmoso por si só. Contudo, o que tinha tudo para ser algo incrível esbarra em atuações medianas e um roteiro que perde tempo com as coisas erradas.

A Anastácia nipônica

A trama de A Princesa da Yakuza é praticamente uma releitura da história de uma outra princesa — a russa Anastasia, filha do czar Nicolau II que teria sobrevivido ao massacre da família real e vivido escondida até ter se tornado uma lenda. Assim, acompanhamos Akemi (Masumi), uma jovem descendente de japoneses que vive no bairro da Liberdade, em São Paulo, sem saber que é herdeira de uma poderosa família da máfia japonesa que é dizimada quando ela ainda era criança.

A história de Akemi vira de cabeça para baixo quando ela se depara com uma espada que revela seu verdadeiro destino (Imagem: Reprodução/XYZ Films)
A história de Akemi vira de cabeça para baixo quando ela se depara com uma espada que revela seu verdadeiro destino (Imagem: Reprodução/XYZ Films)

E tudo isso vem à tona quando ela se depara com um estranho homem sem memória (Jonathan Rhys Meyers) que carrega apenas uma katana. Com isso, ela e esse misterioso indigente entram na mira da Yakuza e precisam correr não apenas para sobreviver, mas também para decifrar o que diabos está acontecendo.

Como dito, é uma premissa muito boa e que remete aos clássicos filmes de ação japoneses, trazendo todos os elementos que marcam esse tipo de história. Até mesmo a estética foi muito bem reproduzida, aproveitando a claustrofobia das ruas da Liberdade para criar essa sensação de que os personagens estão mergulhando em uma camada invisível da cidade.

Só que a preocupação de A Princesa da Yakuza em recriar esse clima de thriller policial é tão grande que o diretor Vicente Amorim se perde no próprio ritmo da história que está sendo contada. Ele passa tanto tempo plantando e esticando mistérios que rapidamente se torna cansativo, pois a trama principal demora a se desenrolar.

A relação de Akemi com o homem se memória deveria ser o ponto central da trama, mas sofre com o fraco desenvolvimento (Imagem: Reprodução/XYZ Films)
A relação de Akemi com o homem se memória deveria ser o ponto central da trama, mas sofre com o fraco desenvolvimento (Imagem: Reprodução/XYZ Films)

São tantos personagens que sabem o que está acontecendo e não podem dizer nada ou que apenas falam de forma enigmática que chega a ser irritante. Até porque o espectador sabe desde o início qual é o grande segredo que está sendo guardado e todo esse clima que o filme tenta compor se torna apenas um andar em círculo que não leva a lugar nenhum.

Isso faz com que, embora tenha um pouco menos de duas horas de duração, o longa parece ter muito mais do que isso justamente por causa dessa lentidão que toma conta da narrativa a maior parte do tempo.

E isso prejudica também o desenvolvimento dos próprios personagens. A dupla de protagonistas já não atua muito bem — Masumi não é nem mesmo atriz, mas cantora — e a falta de tempo para explorar a relação de Akemi com o homem sem memória faz com que você não se importe de verdade com nenhum deles e muito menos com o vínculo que, em tese, eles deveriam criar.

Por causa disso, a grande reviravolta que é apresentada fica sem peso algum.

Novo fôlego

Apesar desses tropeços, A Princesa da Yakuza se recupera muito bem em sua segunda metade — que é justamente onde a ação está concentrada. É a partir do momento em que o roteiro deixa de perder tempo criando suspense que ele ganha um novo ritmo e fica muito mais interessante.

Apesar da dupla de protagonista não atuar lá muito bem, eles entregam boas cenas de ação (Imagem: Reprodução/XYZ Films)
Apesar da dupla de protagonista não atuar lá muito bem, eles entregam boas cenas de ação (Imagem: Reprodução/XYZ Films)

É nesse momento que você percebe a influência dos quadrinhos e de todos os filmes de yakuza que o longa absorve. Mais uma vez, ele usa muito bem a ambientação em São Paulo para criar esse submundo e ver a personagem caindo no soco com mafiosos em meio aos becos ou fazendo a katana cantar em meio às festas cheias de néon do bairro é realmente divertido e empolgante.

Parte desse novo ar que o longa retoma acontece graças à entrada de Takeshi (Tsuyoshi Ihara) à trama. Ele carrega muito bem essa postura de mafioso japonês e entrega uma interpretação muito boa tanto quando você não faz ideia de suas motivações quanto quando ele revela o que realmente está acontecendo.

A entrada de Takeshi na trama dá novo fôlego ao filme (Imagem: Reprodução/XYZ Films)
A entrada de Takeshi na trama dá novo fôlego ao filme (Imagem: Reprodução/XYZ Films)

Dessa forma, apesar do começo bastante lento e sem ritmo, A Princesa da Yakuza entrega uma reta final que era justamente aquilo que a gente espera quando dá o play: uma história de ação fantasiosa e divertida em um local que nos é muito familiar. É um filme que demora a pegar no tranco, mas que vai muito bem depois que finalmente engata a marcha certa.

Vale a pena assistir a A Princesa da Yakuza?

O começo lento e até mal resolvido de A Princesa da Yakuza é realmente problemático, mas ele ainda assim entrega uma história interessante e com uma boa dose de ação — e que até poderia ter mais se não se apegasse tanto a detalhes não tão importantes assim.

A aposta nacional da Netflix pode até não ser incrível, mas é competente, intrigante e, acima de tudo, divertida. É a prova de que temos obras que podem render boas adaptações e que ainda há muita fantasia a ser explorada por aqui.

A Princesa da Yakuza pode ser assistido no catálogo da Netflix.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos