Mercado abrirá em 9 h 23 min
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,63
    -0,86 (-1,31%)
     
  • OURO

    1.867,40
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    40.727,82
    -4.215,54 (-9,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.128,99
    -124,16 (-9,91%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.008,09
    -398,75 (-1,40%)
     
  • NASDAQ

    13.159,50
    -52,50 (-0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4344
    +0,0043 (+0,07%)
     

Crítica | O Maior Roubo de Arte de Todos os Tempos também é o mais frustrante

Natalie Rosa
·3 minuto de leitura

A Netflix está engajada em produzir documentários sobre crimes reais que ainda não foram resolvidos, visto o lançamento das duas temporadas de Mistério sem Solução em 2020, a também série documental Sob Suspeita: O Caso Wesphael, e agora o mais recente lançamento: O Maior Roubo de Arte de Todos os Tempos. A produção, que conta com quatro episódios, deixa claro desde o início que o caso a ser contado ainda não foi resolvido e as obras de arte roubadas ainda não foram recuperadas.

A história contada na série documental é a do roubo ao Museu Isabella Stewart Gardner, que fica localizado em Boston, capital do estado norte-americano de Massachusetts, que aconteceu no dia 18 de março de 1990, Dia de São Patrício, o famoso St Patrick's Day. Na ocasião, dois ladrões disfarçados de policiais conseguiram entrar no museu com a liberação do guarda escalado para o horário. Então, eles anunciaram o roubo e amarraram os funcionários que estavam de vigia naquela madrugada, entraram nos salões e roubaram diversas obras, levando cerca de duas horas até finalizarem o assalto.

<em>Imagem: Divulgação/Netflix</em>
Imagem: Divulgação/Netflix

Atenção: esta crítica pode conter spoilers da série documental O Maior Roubo de Arte de Todos os Tempos!

O Maior Roubo de Arte de Todos os Tempos, de fato, "tira leite de pedra". Ao longo dos quatro episódios de quase uma hora de duração cada, o documentário dirigido por Colin Barnicle se esforça em tornar a história do assalto e roubo ao museu interessante. Na verdade, toda a história em si é realmente intrigante, principalmente por se tratar do furto de peças de centenas de anos atrás e de artistas como Rembrandt, Vermeer, Monet, e Degas, que fazem parte da história e são perdas irreparáveis.

No entanto, praticamente todas as tentativas de chegar aos culpados foram frustrantes desde o início das investigações. Vários nomes apareceram aos policiais, inclusive de ladrões já conhecidos por roubarem obras de arte, um deles sendo entrevistado para o documentário no quintal de sua casa, já velhinho e livre de seus crimes. Todos os possíveis suspeitos e possíveis cenários são alinhados na série documental, mostrando os esforços desesperados dos advogados e investigadores, inclusive federais, para conseguir encerrar o caso de vez.

<em>Imagem: Divulgação/Netflix</em>
Imagem: Divulgação/Netflix

Como costuma acontecer em documentários de crimes que nunca foram solucionados, o encaixe das peças durante a produção da trama chega a acender uma luz de suspeita na cabeça do espectador, que atiça aquela vontade de tentar solucionar sozinho o caso através do que é apresentado na tela. O sentimento surge, alimentado pelas desconfianças dos envolvidos, mas se torna praticamente impossível acreditar na própria dedução, de tão complicado que foi o roubo e tão vazias que são as provas.

Os pontos mais interessantes de O Maior Roubo de Arte de Todos os Tempos são aqueles que focam na prática de roubo de obras de arte, que envolvem grandes crimes organizados e máfias, em como e quem são as pessoas interessadas em cometer esses crimes. Porém, a série documental acaba se perdendo quando tenta apresentar possíveis soluções, mergulhando de vez na temática de investigação, trazendo um resultado tão vazio quanto as próprias provas. Sendo assim, não só a ação policial foi falha quanto a investigação conduzida pela série. Mais um ponto para os ladrões.

<em>Imagem: Divulgação/Netflix</em>
Imagem: Divulgação/Netflix

A trama chega a apresentar suspeitas concretas e que, realmente, fazem sentido. Porém, quase todos os possíveis envolvidos já morreram de formas naturais ou assassinato, com o único sobrevivente sendo liberado da cadeia recentemente. A esperança, agora, é que este indivíduo vá atrás das peças de arte roubadas para tentar conseguir a recompensa milionária, mas a trama deixa claro que pode ser praticamente impossível, traçando linhas que levam a uma possibilidade concreta de que todas as obras estão espalhadas pelo mundo, talvez na mão de quem nem saiba da história.

O Maior Roubo de Arte de Todos os Tempos está disponível na Netflix em quatro episódios.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: