Mercado abrirá em 2 h 24 min
  • BOVESPA

    113.430,54
    +1.157,53 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.564,27
    +42,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,11
    +0,24 (+0,30%)
     
  • OURO

    1.939,90
    -5,40 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    23.021,04
    +105,77 (+0,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,33
    +5,54 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.076,60
    +58,83 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.086,04
    +368,95 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.782,72
    +11,02 (+0,14%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.133,00
    -19,00 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5249
    +0,0093 (+0,17%)
     

Crítica Ginny e Georgia | Temporada 2 está mais dramática e um pouco chata

A Netflix lançou, em 2021, a comédia dramática Ginny e Georgia, criada por Sarah Lampert. A trama aborda temas como cumplicidade, relação de mãe e filha, assédio sexual e assassinato. Agora, a série retorna em sua segunda temporada como uma das principais estreias do streaming, para a alegria dos fãs. Mas, infelizmente, abusou do drama e ficou um tanto quanto cansativa.

Para começar, os novos episódios acompanham Georgia se relacionando com Paul e tentando, a qualquer custo, manter seu passado em segredo. Enquanto isso, Ginny entra em uma crise de ansiedade e depressão após descobrir que sua mãe realmente envenenou e matou Kenny, seu padrasto.

Atenção! Essa crítica tem spoiler da segunda temporada de Ginny e Georgia!


trailer

É totalmente plausível ver Ginny mal, vulnerável e abatida após descobrir um acontecimento tão perturbador da vida de sua mãe, e de fato Antonia Gentry, que interpreta a personagem, acerta nas cenas de drama, especialmente nas que ela se queima como forma de mutilação. Porém, o texto foca nesse drama de uma maneira tão cansativa que, ao invés de compaixão, sentimos preguiça.

A cada cena, a cada capítulo, Ginny está com a mesma expressão. Ela não busca conversar com a mãe, nem resolver seus problemas de amizade com Maxine. A garota fica tão imersa em seu desespero que cansa o espectador.

Drama, drama e mais drama

Por falar em tristeza e drama, não dá para negar que esse foi o foco de Ginny e Georgia na segunda temporada. Além da protagonista, seu namorado Marcus (Felix Mallard) também entra em uma crise depressiva e fica apático, sem querer sair da cama, e mergulhado na tristeza e no álcool.

Marcus e Ginny são acometidos pela depressão. (Imagem:Reprodução/Netflix)
Marcus e Ginny são acometidos pela depressão. (Imagem:Reprodução/Netflix)

O foco na saúde mental dos personagens seria um grande acerto, ainda mais se tratando de adolescentes, mas o texto é pobre e não desenvolve bem as situações. Desse modo, fica tudo um pouco solto, deixando o público sem entender qual a finalidade de abordar tais temas. É, no mínimo, decepcionante.

Aliás, até o rompimento de Marcus e Ginny é mal explicado. Ele decide terminar o romance com a garota, mesmo amando-a, porque está depressivo e se sentindo mal. Fica no ar o motivo que desencadeou sua depressão e quais serão os desdobramentos da doença.

A série abusa do drama e fica um pouco maçante. (Imagem:Reprodução/Netflix)
A série abusa do drama e fica um pouco maçante. (Imagem:Reprodução/Netflix)

Personagen mal desenvolvidos

Quem assistiu à primeira temporada de Ginny e Georgia certamente esperava um bom desenvolvimento dos personagens nos novos episódios, o que não acontece. As protagonistas que dão nome à série até ganham destaque, mas os demais ficam pelo caminho.

Enquanto Ginny luta para se reerguer emocionalmente, Georgia tenta lidar com tudo à sua volta. Isso quer dizer: o casamento com Paul que se aproxima, a volta de seu ex-marido Gil (pai de Austin), o trabalho na Prefeitura e o detetive no seu pé. Para lidar com essas situações, no entanto, ela parece cada vez mais imatura, metendo os pés pelas mãos. Não a vemos evoluir até quase o final da série.

Georgia e os outros coadjuvantes são mal desenvolvidos na segunda temporada. (Imagem:Reprodução/Netflix)
Georgia e os outros coadjuvantes são mal desenvolvidos na segunda temporada. (Imagem:Reprodução/Netflix)

Georgia trava uma guerra fria com Ginny, negligencia como o fato de ter matado um homem pode impactar na vida da filha, e continua tentando resolver as coisas da maneira mais absurda possível. O fato dela matar o marido de Cynthia (Sabrina Grdevich ) —que estava em estado terminal — sufocado só comprova a pouca maturidade da protagonista. Ela tenta ajudar Cynthia, mas não era preciso fazer isso, uma vez que as duas nem são tão próximas.

De todo modo, no final da série, o texto dá à ela a redenção necessária. Nos dois últimos episódios, Georgia parece finalmente crescer e consegue contar (quase) toda a verdade sobre sua vida à Paul.

No final da temporada, Georgia consegue contar sobre sua vida para Gil. (Imagem:Reprodução/Netflix)
No final da temporada, Georgia consegue contar sobre sua vida para Gil. (Imagem:Reprodução/Netflix)

Coadjuvantes sem história, mas com potencial

Agora falando dos coadjuvantes, a situação fica ainda pior: Maxine (Sara Waisglass) parece involuir e passa a temporada toda chorando por Sophie (Humberly González). Apesar da decepção amorosa, a personagem tinha muito mais a entregar, mas acaba reduzida à uma adolescente mal amada.

Abby (Katie Douglas) é outra que fica de lado. A garota parece ter algum tipo de distúrbio alimentar e problema de autoimagem, mas desde a primeira temporada o assunto não avança.

O destaque positivode Ginny e Georgia ficou para Austin, o filho da protagonista. (Imagem:Reprodução/Netflix)
O destaque positivode Ginny e Georgia ficou para Austin, o filho da protagonista. (Imagem:Reprodução/Netflix)

Já falando dos destaques positivos, Austin (Diesel La Torraca) ganhou mais tempo de tela e não decepcionou. O ator mirim é carismático e sua cena final, correndo atrás da viatura que leva Georgia presa, é comovente.

Vale comentar que a presença de Zion (Nathan Mitchell) e Gil (Aaron Ashmore), ex-maridos de Georgia, também agrada e traz maior dinamismo para a trama. Resta saber se eles serão melhor apresentados em uma possível nova temporada.

Trilha sonora e figurino agradam

Se por um lado o texto de Ginny e Georgia decepciona, por outro a trilha sonora e o figurino agradam e ajudam a contar a história. Por meio de suas roupas, fica muito nítida a diferença de idade entre Ginny sua mãe.

Os figurinos e a trilha sonora da série agrada. (Imagem:Reprodução/Netflix)
Os figurinos e a trilha sonora da série agrada. (Imagem:Reprodução/Netflix)

Além disso, o guarda roupas de Georgia ajuda a reafirmá-la como uma mulher que está buscando estabilidade e seu lugar no mundo, mas que nada se parece com as mães provincianas do bairro.

As canções também parecem se encaixar bem à trama, e são um ponto positivo da história.

Vale a pena assistir à segunda temporada de Ginny e Georgia?

A segunda temporada de Ginny e Georgia realmente derrapa ao não aprofundar temas importantes — como o racismo sofrido por Ginny em sala de aula, por exemplo — e se tornar rasa e morna.

A segunda temporada decepciona pelo texto, mas ainda há chances para a série. (Imagem:Reprodução/Netflix)
A segunda temporada decepciona pelo texto, mas ainda há chances para a série. (Imagem:Reprodução/Netflix)

A cena final deixa um gancho interessante para uma (futura) próxima temporada, mas será preciso melhorar o roteiro se quiser vingar. O acerto ficou por conta de explicar melhor como foi a infância de Georgia e o que a fez chegar até onde está.

Desse modo, os novos episódios de Ginny e Georgia não agradam, mas quem deseja muito continuar a história pode dar uma chance e assisti-los na Netflix.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: