Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    44.163,93
    -3.060,25 (-6,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,99 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,29 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7636
    +0,0247 (+0,37%)
     

Crítica | A Escavação transforma biografia em belíssimo drama histórico

Laísa Trojaike
·3 minuto de leitura

Tensão, curiosidade, empolgação e mistério geralmente não são sensações ligadas a dramas, mas de tempos em tempos surgem obras simples que conseguem nos fisgar como se fosse uma complexa investigação sobre um serial killer. A Escavação é desses filmes, que consegue transformar uma quase monótona e pequena escavação arqueológica em uma história que atiça nossa curiosidade e nos segura até o final.

A Escavação ainda faz um papel muito importante de sedimentação histórica, que se torna ainda mais importante ao final do filme. Baseada em acontecimentos reais, a trama toma a liberdade de criar uma ficção apoiada em documentações para, no microcosmo do filme, levantar bandeiras necessárias, como o reconhecimento de Basil Brown, interpretado pelo sempre incrível Ralph Fiennes.

Imagem: Reprodução/Netflix
Imagem: Reprodução/Netflix

Atenção! A partir daqui a crítica pode conter spoilers.

Pessoas

O roteiro de A Escavação, ainda que seja excelente e ajude a explorar temas que vão além da descoberta histórica, atém-se à escavação de modo geral e não entrega aos espectadores mais sedentos por adrenalina motivos suficientes para acompanhar a história por si só. Logo de cara, no entanto, somos arrebatados pelo trabalho de direção de Simon Stone e de cinefotografia de Mike Eley, no que parece ser o melhor trabalho da carreira de ambos.

Interpretando personagens também não muito atrativos à primeira vista, A Escavação tem ainda a presença de Carey Mulligan, Lily James e Ben Chaplin, além do já citado Fiennes. O grupo central de personagens e seus respectivos atores ajudam muito para que o filme se torne melhor e mais profundo do que o roteiro poderia nos oferecer antes de sair do papel.

Imagem: Reprodução/Netflix
Imagem: Reprodução/Netflix

Assim, A Escavação se torna uma grande metáfora e muito mais do que apenas um filme biográfico ou a reprodução de um evento histórico. Destoam dessa beleza e perfeição as figuras caricatas dos diretores de museus e especialistas que pretendiam tomar para si a descoberta. O surgimento desses personagens lembra antigas aventuras como Indiana Jones e peças satíricas como as do grupo Monty Python.

Essas caricaturas chegam a se destacar negativamente diante dos demais personagens, mas, como a ridicularização é merecida, a caricatura encontra seu lugar na trama como algo realmente intencional e, de uma forma bem inglesa, chega a encontrar seu alívio cômico. Assim, os especialistas são diminuídos ainda mais para que o sutil, sábio e comedido Basil Brown surja como figura de destaque sem grandes esforços da produção.

Imagem: Reprodução/Netflix
Imagem: Reprodução/Netflix

Paisagem

A Escavação se passa quase que exclusivamente nas terras de Edith Pretty (Mulligan) e, mesmo sem paisagens de tirar o fôlego, as imagens têm esse efeito. Produto do tripé arte-fotografia-direção, a beleza impressionante de diversas sequências do filme não devem passar despercebidas, sobretudo pela utilização de lentes contra-intuitivas, como o uso de grandes angulares que distorcem nitidamente a paisagem, mas dão ao filme uma caracterização necessária.

Com essa beleza própria, A Escavação, que já havia se destacado por outros setores, ganha uma identidade visual original que não distancia o filme do que já foi feito até então, mas cria um destaque difícil de ser ignorado. Não parece haver, neste filme, uma audácia digna das vanguardas, mas é uma excelente compreensão do que funciona e do que não funciona para narrativas mais lentas e com doses britânicas de adrenalina.

Imagem: Reprodução/Netflix
Imagem: Reprodução/Netflix

Junto a tudo isso, o longa ainda conta com doses interessantes de tensão pela ambientação temporal da história: enquanto a escavação é feita, a Segunda Guerra Mundial está em andamento e o Reino Unido está prestes a declarar guerra, gerando uma sensação de que, a qualquer momento, todo o trabalho será perdido pela guerra.

A Escavação, enfim, é um ótimo filme sobre um assunto muito importante, mas pouco ou nada atrativo para muitos espectadores. Para quem tiver a atenção fisgada, uma excelente experiência pode estar ali, escondida entre discussões sobre períodos históricos e civilizações antigas, um verdadeiro drama dos problemas cotidianos, com reflexões sobre poder, conhecimento, amor e morte. Tudo isso, de certa forma, tem a ver com arqueologia, não?

A Escavação está disponível no catálogo da Netflix.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Canaltech.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: