Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.375,25
    -1.185,58 (-1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.728,87
    -597,81 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    93,20
    +4,75 (+5,37%)
     
  • OURO

    1.701,80
    -19,00 (-1,10%)
     
  • BTC-USD

    19.585,18
    -384,02 (-1,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    445,50
    -9,53 (-2,09%)
     
  • S&P500

    3.639,66
    -104,86 (-2,80%)
     
  • DOW JONES

    29.296,79
    -630,15 (-2,11%)
     
  • FTSE

    6.991,09
    -6,18 (-0,09%)
     
  • HANG SENG

    17.740,05
    -272,10 (-1,51%)
     
  • NIKKEI

    27.116,11
    -195,19 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    11.096,25
    -445,50 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0768
    -0,0367 (-0,72%)
     

Crítica Cobra Kai Temporada 5 | Série amadurece na dose necessária

A 5ª temporada de Cobra Kai estreou nesta sexta-feira (9) na Netflix em um intervalo mais curto do que em outros momentos — ainda bem. Após uma 4ª temporada que deixou a desejar, sobretudo pelo foco nos conflitos entre os adolescentes e seus respectivos dojos e os mestres como plano de fundo, tudo parece ter se invertido agora, e isso é uma excelente notícia.

Para Daniel LaRusso (Ralph Macchio) ter que recorrer a velhos inimigos e refazer toda sua estratégia — inclusive abandonando algumas de suas crenças — para poder enfrentar Terry Silver (Thomas Ian Griffith) em condições de igualdade, a série precisou evoluir juntamente com seus principais personagens para trazer a densidade necessária.

Por ora, foi abandonado o ar de Malhação visto nos episódios anteriores para termos um pouco mais de drama e situações da vida adulta aflorados em Cobra Kai, mas sem deixar de lado o que realmente importa no fim das contas: a eterna batalha entre os dojos Miyagi-Do e Cobra Kai.

Essa crítica contém spoilers leves da 5ª temporada de Cobra Kai.

Nem sempre lutar é o melhor caminho

Com o fim do torneio de caratê do Vale e a vitória controversa de Tory (Peyton List), as pontas soltas logo foram deixadas de lado a fim de que pudéssemos entrar em outras questões na série, como o confronto entre LaRusso e Silver. Mas esse "esquecimento" por parte de Tory e da trapaça por trás do torneio logo são utilizados.

As cenas de combate e também de diálogo com Chozen Toguchi (Yuji Okumoto) são algumas das melhores desta temporada (Imagem: Divulgação/Netflix)
As cenas de combate e também de diálogo com Chozen Toguchi (Yuji Okumoto) são algumas das melhores desta temporada (Imagem: Divulgação/Netflix)

A questão central por aqui é que Silver, como bem sabe LaRusso, sempre está um passo adiante e consegue prever tudo o que nosso simpático sensei quer fazer para evitar que o Cobra Kai se expanda para o mundo. Para tal, ele recorre a um velho inimigo (agora amigo), Chozen Toguchi (Yuji Okumoto), que traz, inesperadamente, um pouco de seriedade e humor ao mesmo tempo.

Embora Toguchi tenha vindo de Okinawa para "lutar", a estratégia em um primeiro momento era de atacar pelas beiradas, algo que parecia inteligente. Mas Silver, mestre também em usar das artimanhas sentimentais e psicológicas, usou do mesmo expediente.

Tori passa a mudar seu "tom" na 5ª temporada de Cobra Kai (Imagem: Divulgação/Netflix)
Tori passa a mudar seu "tom" na 5ª temporada de Cobra Kai (Imagem: Divulgação/Netflix)

Com isso, um machucado (de todos os jeitos possíveis) LaRusso precisou recuar, repensar sua estratégia e trazer de volta o espírito Miyagi-Do para o Vale.

Resolvendo conflitos, trazendo o passado para o presente

A partida de Miguel Díaz (Xolo Maridueña) rumo ao México para saber do paradeiro de seu pai teve um desfecho nada bacana para o jovem latino, mas ajudou a unir diferentes pontas na trama e apontar para um caminho que vemos por toda a 5ª temporada, em todos os núcleos: a resolução de conflitos.

Robbie e seu pai parecem ter se acertado (um pouco) (Imagem: Divulgação/Netflix)
Robbie e seu pai parecem ter se acertado (um pouco) (Imagem: Divulgação/Netflix)

Seja com Miguel e seu pai, seja com Johnny Lawrence (William Zabka) e Robbie Keene (Tanner Buchanan) ou até mesmo com LaRusso e seus fantasmas, na 5ª temporada de Cobra Kai isso fica ainda mais evidente e foi algo extremamente necessário, já que a trama passou por um forte amadurecimento.

E por falar em Lawrence e LaRusso, a relação dos dois demora a ser retomada, mas é brilhantemente adaptada para o que a série necessita neste momento, uma vez que os inimigos parecem não fraquejar em hipótese alguma. Para isso, acreditem ou não, há uma enorme inversão de papéis, que vai fazer vocês se apaixonarem pelo sensei Lawrence ainda mais.

Lutas apenas como complemento

As lutas coreografadas de Cobra Kai retornaram com a temporada 5, mas em número menor do que em outras. Isso parece ter sido proposital e funcionou muito bem como que a série quis passar atualmente. Entretanto, houve uma melhora interessante nos combates, mais secos e menos espalhafatosos.

Lutar? Apenas quando necessário (Imagem: Divulgação/Netflix)
Lutar? Apenas quando necessário (Imagem: Divulgação/Netflix)

Vale a pena assistir a temporada 5 de Cobra Kai?

A temporada 5 de Cobra Kai é uma das melhores da série e é, sem dúvida, a mais madura entre todas já disponibilizadas. Com o crescimento natural dos personagens mais jovens e a necessidade do núcleo "original" de Karate Kid precisar roubar a cena, o produto cresceu absurdamente de qualidade e perdeu o caráter adolescente por vários momentos.

A série segue divertindo, corrigiu diversos problemas e aponta para um desfecho dos mais empolgantes. É esperar para ver.

A temporada 5 de Cobra Kai está disponível na Netflix.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: