Mercado abrirá em 5 h 32 min
  • BOVESPA

    120.705,91
    +995,88 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.829,31
    +80,90 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,82
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.832,70
    +8,70 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    50.062,95
    -980,57 (-1,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.376,92
    -10,99 (-0,79%)
     
  • S&P500

    4.112,50
    +49,46 (+1,22%)
     
  • DOW JONES

    34.021,45
    +433,79 (+1,29%)
     
  • FTSE

    7.012,01
    +48,68 (+0,70%)
     
  • HANG SENG

    28.023,83
    +305,16 (+1,10%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.176,25
    +76,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4254
    +0,0129 (+0,20%)
     

Crítica | A Batida Perfeita é leve, romântico e fácil de assistir

Sihan Felix
·3 minuto de leitura

Alguns filmes parecem não ter a intenção de ir além de si mesmos. Eles assumem um ar de fragilidade e permanecem dessa forma desde a idealização. A Batida Perfeita é exatamente assim: por mais que o roteiro da estreante Flora Greeson tente flertar com comentários sobre a indústria da música, o filme não passa de um romance leve e ingênuo — e nada há de errado nisso.

A direção de Nisha Ganatra (de Talk-Show: Reinventando a Comédia — lançado em 2019) trabalha tudo com uma aparente despretensão. Nesse sentido, não existe uma decupagem reveladora, as cenas se intercalam sem quaisquer intervenções dos planos e o universo exposto é sempre muito limpo, de uma clareza quase plástica. Mesmo assim, o coração do conjunto está sempre no lugar certo, o que não torna enjoativa a água com açúcar que é o filme.

<em>Romance leve e ingênuo. (Imagem: Reprodução/Telecine)</em>
Romance leve e ingênuo. (Imagem: Reprodução/Telecine)

Atenção! Esta crítica pode conter spoilers sobre o filme!

Uma pincelada mais forte

Acontece que Ganatra demonstra, pela simplicidade de suas escolhas, construir uma química entre seus personagens que quase transcende a história. Essa relação não é arquitetada somente em torno do casal Maggie (Dakota Johnson) e David (Kelvin Harrison Jr.), porque não se trata de uma química romântica, mas de unidade. Assim sendo, nenhum personagem parece deslocado e até mesmo a pateta Gail (June Diane Raphael) tem sua função narrativa bem localizada.

Por outro lado, enquanto o protagonismo mais evidente é da personagem de Johnson, é Grace Davis (Tracee Ellis Ross) que toma conta de A Batida Perfeita. Isso, porém, não se deve à atuação — que está em uníssono com as demais —, mas, justamente, porque o texto se arrisca em intromissões mais reais com ela. A diretora parece saber disso e valoriza os olhares de Ross, dando espaço especial a um breve monólogo no qual ela comenta sobre como aquela vida não dá lugar para mulheres acima dos 40 anos de idade e com o plus de ser negra.

<em>Um breve e forte monólogo. (Imagem: Reprodução/Telecine)</em>
Um breve e forte monólogo. (Imagem: Reprodução/Telecine)

Essa breve pincelada social é tão boa que ecoa, a partir dessa cena, por todo o filme e acaba minimizando a história de Maggie. Sua luta para ser produtora após alguns anos como assistente de Davis transforma-se em um obstáculo muito menor em comparação à potência da briga interna da famosa. Por essa perspectiva, é como se a personagem de Ross furtasse o protagonismo do filme, relegando aquela jovem ao romance fofo e clichê (sem mau sentido).

Nada de errado

De todo modo, a história de Maggie só tem relevância por se confundir com os últimos trabalhos de Davis. É interessante, portanto, que sua presença (a de Maggie), muitas vezes invisível, só seja notada quando da sua ausência. A velha verdade de que o valor de algo só é sentido quando é perdido é bem exposta no filme. Porém, há um conjunto de plot twists que pode transformar o terceiro ato de The High Note (título original) em um coelho na cartola.

<em>Bill Pullman como Max. (Imagem: Reprodução/Telecine)</em>
Bill Pullman como Max. (Imagem: Reprodução/Telecine)

É como se M. Night Shyamalan assumisse um roteiro de romance quase finalizado e resolvesse brincar. Então, o filme atira para tantos lados a esse ponto que pode até desorientar. Durante esse processo, o que era sério desaparece de vez, o que nunca havia sido mostrado (como a revelação que envolve David e Davis) torna-se o mote principal — praticamente finalizando o filme em um grande show — e, em meio a tudo, felizmente, há a participação carismática de Bill Pullman como Max, o pai de Maggie.

<em>O último (e grande) show. (Imagem: Reprodução/Telecine)</em>
O último (e grande) show. (Imagem: Reprodução/Telecine)

No final das contas, A Batida Perfeita é leve, dinâmico, fácil de assistir, romântico... um docinho. Só lhe faltava ter um roteiro mais direcionado e uma direção que, além de colocar o coração no lugar certo como já o faz, pudesse dar força para aquilo que a obra é de fato: um romance leve e ingênuo — porque nada há de errado nisso.

A Batida Perfeita está disponível no streaming do Telecine.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Canaltech.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: