Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,38
    +1,01 (+1,55%)
     
  • OURO

    1.867,60
    +29,50 (+1,60%)
     
  • BTC-USD

    43.763,08
    -1.667,22 (-3,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.207,85
    +9,93 (+0,83%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.194,09
    +166,49 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.824,83
    -259,67 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.312,00
    -75,00 (-0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4094
    +0,0054 (+0,08%)
     

Crédito pessoal para inscritos em cadastro positivo tem spread 10,4% menor, diz BC

Isabel Versiani
·1 minuto de leitura
Cédulas de 200 reais

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA (Reuters) - As operações de crédito bancário pessoal com novos tomadores inscritos no Cadastro Positivo tiveram spread 10,4% menor, em média, do que o praticado em operações com tomadores pessoas físicas fora do cadastro, disse o Banco Central nesta segunda-feira.

A diferença corresponde a 31 pontos percentuais, considerando uma taxa de juros média de 299% ao ano, disse o BC em nota, informando que o levantamento foi feito pela autarquia nas operações de crédito pessoal não consignado.

Citando informações dos birôs de crédito de dezembro de 2020, o BC disse que a inclusão das informações do Cadastro Positivo nas pontuações de crédito das pessoas físicas levou a que 41% dessas pessoas migrassem para faixas de menor risco, enquanto 26% pioraram sua faixa de risco e 33% permaneceram na mesma faixa.

Para as empresas, 30% foram beneficiadas com a migração para faixas de menor risco, enquanto 20% passaram para faixas de maior risco e 50% não sofreram alteração de classificação.

No total, o número de cadastrados no Cadastro Positivo aumentou mais de 15 vezes desde que a inclusão das informações dos clientes bancários e consumidores passou a ser feita de forma automática, salvo manifestação em contrário, disse o Banco Central.

Esse novo formato do cadastro, que reúne informações de adimplência de pessoas físicas e jurídicas, entrou em vigor em meados de 2019, após a aprovação de lei pelo Congresso Nacional e posterior regulamentação pelo governo.

A maior parcela das informações é fornecida pelas instituições financeiras. Neste ano também devem ser incorporados dados disponibilizados por prestadores de serviços de telecomunicações. Também há a previsão de inclusão de informações prestadas por empresas de eletricidade, gás, água e esgoto, ainda sem data definida.