Mercado fechará em 1 h 20 min
  • BOVESPA

    113.146,74
    +2.221,14 (+2,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.493,34
    +35,79 (+0,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,01
    -0,21 (-0,26%)
     
  • OURO

    1.810,70
    -4,50 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    16.955,29
    -29,14 (-0,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    402,44
    +1,02 (+0,25%)
     
  • S&P500

    4.052,22
    -24,35 (-0,60%)
     
  • DOW JONES

    34.287,66
    -107,35 (-0,31%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.946,00
    -116,75 (-0,97%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4871
    +0,0217 (+0,40%)
     

Crédito e políticas de governo movem abertura de empresas no país

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Mais de 1 milhão de empresas foram abertas no terceiro trimestre deste ano. Com base em dados da Receita Federal, levantamento da Contabilizei mostra que 75% delas pertencem a empreendedores de pequeno e médio portes.

Vários fatores explicam esse movimento. Há políticas de crédito para esse grupo em curso e o novo governo promete mais linhas para financiar a expansão das chamadas MEIs (Microempreendedor Individual). Outro estímulo são as festas de final de ano e a temporada de descontos no comércio.

A Contabilizei, escritório que presta serviços contábeis para as micro e pequenas, afirma que a facilidade para abrir empresas de baixo faturamento e a possibilidade de digitalização dos processos de venda, principalmente com a alta oferta de plataformas no ecommerce, ajudaram a esquentar o ânimo dos futuros empresários.

"Tradicionalmente, o segundo semestre é um período que marca a abertura de oportunidades para o brasileiro no segmento do varejo. O MEI é o caminho mais rápido e menos burocrático para empreender no país", disse Guilherme Soares, um dos vice-presidentes da Contabilizei.

No terceiro trimestre deste ano, foram 1 milhão de novas empresas, 1% a mais do que no trimestre anterior (990 mil). Essa alta começou mais fortemente em agosto, que respondeu, isoladamente, por 391 mil novas MEIs.

O fechamento de empresas também registrou crescimento. No terceiro trimestre, 463 mil desativaram seus CNPJs ante 426 mil do período anterior, alta de 8%.