Mercado abrirá em 7 h 10 min
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,18
    -1,48 (-1,79%)
     
  • OURO

    1.802,00
    +3,20 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    58.863,05
    -2.528,25 (-4,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.411,05
    -63,28 (-4,29%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.604,81
    -23,93 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.810,75
    -287,49 (-0,99%)
     
  • NASDAQ

    15.617,50
    +30,25 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4263
    +0,0016 (+0,02%)
     

'Crânio de Luzia' pega Heineken no limite da produção no Brasil

·7 minuto de leitura
*ARQUIVO* São Paulo, SP, BRASIL, 24-06-2016: X. Assinatura do  designer Fernando Degrossi estampada em garrafa da cerveja Heineken. Ele venceu o concurso promovido pela marca (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)
*ARQUIVO* São Paulo, SP, BRASIL, 24-06-2016: X. Assinatura do designer Fernando Degrossi estampada em garrafa da cerveja Heineken. Ele venceu o concurso promovido pela marca (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Com uma capacidade de produção perto do limite, já beirando os 90%, a cervejaria holandesa Heineken apostou em uma nova fábrica de Pedro Leopoldo, região metropolitana de Belo Horizonte, para desafogar a demanda. O empreendimento, com investimentos declarados de R$ 1,8 bilhão, começou a ser construído mês passado, mas acaba de ser interrompido pelo ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade).

Na avaliação do instituto, a obra pode causar danos à região onde foi encontrado o crânio de Luzia, o fóssil mais antigo das Américas. A captação de água do subsolo para produzir a cerveja geraria grande impacto nos lençóis freáticos e no complexo de grutas e cavernas da região, que correria o risco de ser soterrado.

De acordo com o ICMBio, a obra foi embargada por estar na Zona de Conservação do Desenvolvimento Urbano e Industrial de uma região que tem regras específicas para uso empresarial e que exige cuidados adicionais, a Área de Proteção Ambiental Carste de Lagoa Santa, que abriga rico acervo natural de grutas e sítios arqueológicas.

O órgão afirma que, "caso o empreendimento se adeque ao que determina o Plano de Manejo, apresentando estudos e as informações necessárias, a obra poderá ser retomada". Uma audiência com a empresa está marcada para 9 de outubro, diz o ICMBio. A Heineken afirma estar à disposição de todos os órgãos envolvidos.

A fábrica de Pedro Leopoldo foi projetada para ser a primeira da Heineken totalmente construída no Brasil, uma vez que todas as outras 15 unidades de produção vieram com a aquisição da Brasil Kirin, em 2017. A unidade em Pedro Leopoldo foi projetada para produzir 760 milhões de litros por ano, se tornando uma das três maiores fábricas da holandesa no mundo e a maior da empresa no país.

A nova linha de produção tem estrutura para ampliar a oferta de cervejas Heineken e outras marcas do segmento mainstream que pertencem ao grupo, como Amstel e a recém-lançada Tiger.

Em dezembro, o governador de Minas, Romeu Zema (Novo), anunciou a instalação da cervejaria como um feito positivo do seu governo. "Minas cresce! Anunciamos mais um megaempreendimento para o estado: o grupo Heineken vai construir uma nova fábrica no Estado", disse o governador nas redes sociais.

A Semad (Secretaria de Estado de Meio Ambiente), de Minas Gerais, deferiu licença ambiental para a obra no mês passado. No último dia 10, a Heineken recebeu a visita do ICMBio na obra, foi autuada e interrompeu as obras de terraplanagem.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, em 15 de setembro, o presidente da empresa no Brasil, Mauricio Giamellaro afirmou que a companha tem preocupação global com temas ambientais. "Estamos aqui para o futuro longínquo. É óbvio que a gente tem que gerar lucro, mas através de respeito", disse Giamellaro, ressaltando que a companhia adotou mundialmente um novo posicionamento de marca, atrelado à sustentabilidade.

No Brasil, por exemplo, toda a produção da Heineken vai ser feita com energia verde. Até 2023, a meta é zerar a emissão de carbono na produção, com o uso de energias renováveis. Hoje 100% da cerveja Sol já é fabricada com energia solar.

"A gente vai ser a melhor cervejaria do Brasil, não necessariamente a maior. É o nosso grande objetivo", diz ele.

*

Pergunta - É o momento de pensar em aquisição no Brasil?

Mauricio Giamellaro - Especulações de mercado já deram conta de uma negociação com a Itaipava.

Houve uma especulação incorreta, não estamos em conversa com a Itaipava. A gente precisa aumentar a produção. Temos 15 unidades fabris, sendo uma delas uma xaroparia. São 12 cervejarias grandes, duas produzem cervejas super premium (em Blumenau-SCe Campos do Jordão-SP) e uma xaroparia. Aumentamos em 75% a capacidade de produção de Ponta Grossa, aumentamos em Alagoinhas, onde passamos a produzir Heineken, enquanto Araraquara, que era mista, e virou 100% Heineken.

Mas, sim, a gente precisa de mais capacidade. Pode acontecer através de novos investimentos ou através de parceria ou aquisição. Mas isso não está no nosso planejamento estratégico para os próximos anos. Vamos crescer com as nossas próprias cervejarias.

A companhia está usando quanto da capacidade?

MG - Estamos em quase 90% da nossa capacidade. A Heineken em Ponta Grossa estava no limite e quase dobramos a capacidade em um ano, achando que a gente iria respirar. Mas é um problema bom: quando dobramos a produção, o volume dobra também. Nosso crescimento é sempre para atender a demanda de mainstream [cervejas comuns], cervejas premium e super premium. Estes dois últimos segmentos são onde a gente mais cresce.

Aquisição não é mais rápido?

MG - Pode não ser, porque os padrões de produção da Heineken são muito diferentes. Nós adquirimos várias cervejarias quando compramos a Brasil Kirin em 2017. Nenhuma delas tinha a capacidade de produzir Heineken. A primeira que começou a produzir foi Alagoinhas, dois anos depois. Precisou de toda uma adaptação.

A Heineken demora três vezes mais para ficar pronta do que qualquer cerveja premium do mercado brasileiro. Enquanto a média é de oito a 12 dias, a gente demora mais de 25 dias. A fermentação é em tanques horizontais - enquanto a maioria das cervejarias fermenta em tanques verticais.

A Heineken foi apontada como a marca de cerveja preferida dos brasileiros em uma pesquisa do banco Credit Suisse, divulgada no início do ano. Mas não é a mais vendida, posição ocupada pela Skol, da Ambev. Como você explica esse desempenho?

MG - O brasileiro estava acostumado a cerveja diluída, com quase 50% de carboidrato -milho, na maioria das vezes. Nós viemos com a receita puro malte, que muda a qualidade. A Heineken tem um índice de amargor muito acima da média do mercado brasileiro. Depois que o consumidor toma cinco, seis, sete vezes, ele começa a perceber que aquele amargor é típico, e é da Heineken. Aí ele tem uma dificuldade grande em voltar para as outras cervejas.

Nossa receita é água, malte, lúpulo e nada mais. É a mesma no mundo inteiro. Aqui no Brasil, você toma cerveja mais gelada do que na Europa, o que diferencia muito o paladar. Enfrentamos este grande desafio no começo, mas passamos da 17ª posição em 2012 para a primeira entre as marcas mais desejadas hoje. Entre os clientes do varejo, passamos de 2 mil para 300 mil. Em volume, somos a terceira marca do segmento offtrade [supermercados]. Em valor, já somos a maior.

Qual a posição do Brasil hoje no ranking mundial da Heineken?

MG - Hoje o Brasil representa o maior volume da marca Heineken no mundo, o dobro do segundo colocado, os Estados Unidos. Atingimos esta marca em 2019, antes mesmo da pandemia. Desde então, avançamos ainda mais no mercado brasileiro, porque somos mais fortes nos supermercados do que nos bares, que ficaram fechados neste período.

A venda de cerveja anda estagnada no Brasil. Segundo a consultoria Euromonitor, este ano a venda de cervejas no Brasil deve atingir R$ 197,97 bilhões, uma alta de 7,3% sobre 2020. Descontada a inflação pelo IPCA, empatou.

O mercado de cervejas é dividido em quatro segmentos: crafts (super premium), premium, mainstream e econômicas. Somos líderes nos segmentos craft, premium e econômico. Só não temos a liderança total do mercado de cervejas porque no Brasil o maior volume vem do segmento mainstream, dominado pela Ambev. Mas o mercado brasileiro está se 'premiunizando'. A venda das cervejas premium e super premium é a que mais cresce e é nestes segmentos que a gente vem investindo tanto. Hoje, de cada dez cervejas vendidas no segmento premium, quase seis são Heineken. Nosso objetivo é ser a melhor cervejaria do Brasil, não a maior.

Qual será o perfil do público da Heineken dentro de dez anos?

MG - Sustentabilidade é o novo puro malte. Posso dizer isso pelo comportamento dos meus filhos, tenho um filho de 21 e uma filha de 23. Para ficar conectado com eles, temos eu ir além de música e campeonatos de futebol. Por isso a Heineken acaba de colocar um novo ingrediente na sua fórmula: energia verde. Até 2023, nossa meta é zerar a emissão de carbono na produção, com o uso de energias renováveis. A mudança já aconteceu em três das 15 unidades fabris da companhia. Hoje, 100% da cerveja Sol já é fabricada com energia solar.

*

Raio-X

Fundação: 1864, Amsterdã (Holanda)

Funcionários: 13,5 mil

Produção: 15 fábricas em 11 estados

Receita*: 11,97 bilhões de euros

Lucro líquido*: 1,03 bilhão de euros

Principais concorrentes: Ambev e Itaipava (dados Brasil)

*Dados globais referentes ao 1º semestre de 2021

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos