Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    48.595,63
    -823,14 (-1,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,21 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,17 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

CPI da Covid: imputado a Bolsonaro, crime de charlatanismo rendeu uma condenação no país na última década

·2 min de leitura

BRASÍLIA — Citado no relatório da CPI da Covid como um dos nove crimes cometidos pelo presidente Jair Bolsonaro, o charlatanismo tem presença ínfima no Judiciário brasileiro e rende raríssimas condenações. Segundo levantamento do GLOBO nos 27 Tribunais de Justiça, a única condenação nos últimos dez anos ocorreu em 2013, no Espírito Santo.

Entre 2011 e 2021, 90 processos no país culminaram em 60 julgamentos. Mais de um quarto deles, 28%, não teve prosseguimento. Outros 18% foram revertidos em penas alternativas.

Há também casos de retirada da denúncia ou perdão aceito, pedidos improcedentes e de processos sigilosos. Só em São Paulo, sete de oito casos estão sob segredo de Justiça. Ceará, Maranhão, Pará, Piauí e Rio Grande do Sul não enviaram os dados. Cinco estados não registraram nenhum processo em dez anos, segundo os tribunais. Por ter pena máxima de dois anos, o charlatanismo é considerado crime de menor potencial ofensivo, o que abre margem a acordos. Veja como foi a última sessão da CPI da Covid

Sobre as poucas condenações, o advogado criminalista Renato Vieira diz que o crime foi elaborado para evitar que pessoas sigam enganando as outras prometendo soluções mágicas para problemas que a ciência pode resolver.

— A lógica é que o Direito Penal precisa cuidar de casos mais importantes.

Divergências

Especialistas divergem se cabe ou não a imputação do crime a Bolsonaro. Presidente da Comissão de Política Criminal da OAB/SP, Priscila Pamela dos Santos diz ser válido o Senado apontá-lo, mas pondera:

— Diversos médicos prescreveram cloroquina, mesmo após comprovada a ineficácia, então (a CPI) teria que denunciar todos.

Após três anos: Apuração sobre tiros a caravana de Lula está 'inconclusiva', diz MP do Paraná

Advogado, Denilson Alves de Oliveira vê falha na “tipificação” do crime:

— A lei fala em “meio secreto ou infalível”. Bolsonaro não disse que que o tratamento seria “infalível”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos