Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    55.221,70
    +889,36 (+1,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

CPI da Covid: Em relatório paralelo, aliado de Bolsonaro defende prescrição de medicamentos ineficazes e investigação de governadores

·3 min de leitura

BRASÍLIA - Líder da tropa de choque do governo na CPI da Covid, o senador Marcos Rogério (DEM-RO) vai apresentar um relatório paralelo ao do senador Renan Calheiros (MDB-AL) nesta quarta-feira, 20. No documento, o aliado do Palácio do Planalto rebaterá as acusações de que o presidente Jair Bolsonaro demorou em adquirir as vacinas porque estava pautado pela imunidade de rebanho e defenderá o tratamento precoce com medicamentos comprovadamente ineficazes. Em um resumo do parecer ao qual o GLOBO teve acesso, Rogério ainda pedirá que o Ministério Público investigue governadores por atos durante a crise sanitária.

Ao longo de seis meses de trabalhos na CPI, Marcos Rogério, sob orientação do Planalto, foi o principal defensor do governo na comissão. No documento, ele justifica o seu voto em separado alegando “parcialidade na condução das investigações e dos desacertos cometidos pela CPI” e pede que o relatório seja colocado em votação para, se aprovado, integrar o Parecer da Comissão.

Em seu “parecer alternativo”, o senador evita o termo “tratamento precoce” e chama de “tratamento alternativo” a prescrição de medicamentos comprovadamente ineficazes para a covid-19. No texto, ele contraria o que indicam estudos científicos e defende que a administração de drogas, como a hidroxicloroquina e a azitromicina, deve ser avaliada “caso a caso, à luz da autonomia médica”.

O aliado do Planalto também sai em defesa do presidente Bolsonaro, dizendo que o caso Prevent Senior não deve ser associado ao governo. Na minuta do relatório, senador Renan Calheiros acusa a operadora de ter feito uma "associação sinistra" com a cúpula do governo federal. O relator destacou o apoio do presidente a pesquisas feitas irregularmente pela empresa com os medicamentos sem comprovação científica. A Prevent Senior nega as irregularidades.

“Em relação a Prevent Senior, em que médicos alegaram ter sido obrigados a receitarem determinados medicamentos, o fato não possui qualquer conexão com o Governo Federal, não houve repasse de recursos federais a essa rede nem qualquer subvenção ou relacionamento do Governo Federal, tratando-se, assim, de relação privada entre a empresa e os beneficiários”, diz trecho do parecer de Marcos Rogério.

O relatório do senador aliado do Planalto cita número de doses de vacinas para rebater o parecer de Renan de que Bolsonaro fez escolha deliberada e consciente do Presidente da República em não adquirir vacinas, "pautada na crença infundada na tese de imunidade de rebanho por contaminação natural e na existência de um tratamento precoce". .

O parlamentar ainda vai contestar a existência de um gabinete paralelo, sob o argumento que “a prática de aconselhamento com pessoas e especialistas não vinculados à Administração Pública não é crime e pode ser verificada em outros governos.”

Marcos Rogério, em seu parecer, acusa a CPI de parcialidade por não ter se aprofundado em casos de desvios de recursos federais no combate à pandemia em 22 estados e no Distrito Federal, que foram alvo de investigação da Polícia Federal e a Controladoria-Geral da União. O senador destaca o Consórcio Nordeste, formado pelos noves estados da região, pela compra superfatura de 300 ventiladores hospitalares com pagamento adiantado de R$ 48 milhões. Os equipamentos não foram recebidos. O Consórcio acionou a Justiça para reaver os valores repassados em abril de 2020 para a empresa.

Leia aqui a ÍNTEGRA DO RELATÓRIO FINAL DA CPI DA COVID

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos