Mercado fechará em 6 h 17 min
  • BOVESPA

    112.973,54
    -538,84 (-0,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.801,68
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,99
    +0,46 (+0,53%)
     
  • OURO

    1.785,70
    -4,00 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    23.602,69
    -339,59 (-1,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    560,64
    -12,17 (-2,12%)
     
  • S&P500

    4.268,70
    -36,50 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    33.937,19
    -214,82 (-0,63%)
     
  • FTSE

    7.512,28
    -23,78 (-0,32%)
     
  • HANG SENG

    19.922,45
    +91,93 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    29.222,77
    +353,86 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    13.527,25
    -131,00 (-0,96%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2824
    +0,0506 (+0,97%)
     

CPI convida servidor da Saúde que disse ter sido pressionado para importar a vacina Covaxin

·1 min de leitura

A CPI também aprovou dois requerimentos para convocar e quebrar os sigilos bancário, fiscal, telefônico e telemático de Alex Lial Marinho, ex-coordenador-geral de Aquisições de Insumos Estratégicos para Saúde do Ministério da Saúde. O intuito é verificar se ele foi um dos responsáveis por pressionar Luís Ricardo Miranda e por qual motivo.

No requerimento de convite ao deputado e ao servidor, o relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL), justificou: "O depoimento das referidas pessoas, por esta CPI e, sobretudo é imperioso e imprescindível para o desenrolar da fase instrutória e, obviamente, para o futuro deslinde das investigações. Por esse motivo, a aprovação do presente requerimento é fundamental ao bom prosseguimento dos trabalhos desta Comissão Parlamentar de Inquérito."No caso de Alex Lial Marinho, na justificativa do requerimento de quebra de sigilo, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), argumentou que ele "é nome importante no episódio de contratação da vacina indiana Covaxin e na omissão do governo em relação à negociação com Pfizer". Afirmou ainda que, de acordo com documentos recebidos pela CPI, "atuou fortemente para que seus funcionários superassem, de qualquer forma, os entraves junto à Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] que impediam a entrada da vacina Covaxin, em território nacional".

A Precisa tem como sócio o empresário Francisco Emerson Maximiano, que prestaria depoimento nesta quarta-feira, mas ele avisou a CPI que não poderia comparecer por estar cumprindo quarentena em razão de uma viagem recente à Índia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos