Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.207,96
    +766,93 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,54
    -256,92 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,43
    +0,55 (+0,78%)
     
  • OURO

    1.864,00
    -1,90 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    40.285,66
    +1.278,66 (+3,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.008,09
    +39,25 (+4,05%)
     
  • S&P500

    4.255,15
    +7,71 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.393,75
    -85,85 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    29.411,09
    +249,29 (+0,85%)
     
  • NASDAQ

    14.152,50
    +27,75 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1437
    +0,0122 (+0,20%)
     

COVID: São Paulo deve enfrentar pico de casos ainda em junho, diz secretário

·2 minuto de leitura

Na manhã desta segunda-feira (7), Edson Aparecido, secretário municipal de Saúde da cidade de São Paulo, alertou a população sobre um aumento de casos de COVID-19 e de internações nas próximas semanas, comparando o pico com o que foi registrado em abril deste ano, classificado como um dos períodos com mais mortes de toda a pandemia.

Em entrevista ao jornal de televisão local, Aparecido relatou que o pico deve acontecer no dia 17, segundo previsão da equipe de planejamento. "É um momento de preocupação da volta da circulação das pessoas como se já não estivéssemos mais em pandemia na nossa cidade", disse. O secretário pontuou ainda que a situação é alarmante, dizendo que pode haver um colpaso no sistema de saúde devido à falta de vagas, pois a taxa de ocupação de leitos para pacientes sem COVID-19 já ultrapassa 90%.

<em>Imagem: Reprodução/Rido81/Envato</em>
Imagem: Reprodução/Rido81/Envato

A previsão do município é que até o fim do mês o número de leitos deva ser ampliado, mas ainda assim Aparecido acredita que não será o suficiente para abrigar os doentes, sob a justificativa da lentidão da imunização e às violações das regras de isolamento social. "Nós teremos, sem dúvida nenhuma, situações muito difíceis na rede, no sistema de hospitais de nossa cidade", completa o secretário, dizendo ainda que um índice mais elevado de vacinação pode acontecer somente no final do ano.

São Paulo já está planejando a vacinação com o imunizante da Janssen (Johnson & Johnson), que é feita com apenas uma dose, e da Coronavac, de intervalo mais curto entre as duas doses, para imunizar profissionais de educação e garantir mais segurança nas aulas presenciais. Nesta segunda (7), o grupo de grávidas e puérperas sem comorbidades começaram a se vacinar, além de pessoas com comorbidades ou deficiência permanente com idades entre 18 a 29 anos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: