Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.382,12
    +347,93 (+0,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Covid retrocedeu em dez anos avanços para trabalhadoras latinas

Maria Eloisa Capurro
·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A pandemia retrocedeu em pelo menos uma década os avanços feitos para aumentar a participação das mulheres na força de trabalho na América Latina e no Caribe.

Se não fosse o surto, as mulheres da região poderiam atingir uma taxa de participação na força de trabalho de 69%, igual à dos EUA, em 2055, de acordo com um relatório do Banco Interamericano de Desenvolvimento publicado quinta-feira. Por causa do danos causados aos mercados de trabalho na região pelo coronavírus, atingir esse nível agora levará uma década a mais.

Mais de 31 milhões de empregos foram perdidos em toda a região até julho de 2020, a maioria deles por mulheres, de acordo com o BID. As mulheres com menos de 25 anos - com menos educação formal limitando suas oportunidades à economia informal - foram as mais atingidas.

O revés está ocorrendo em uma região que, até a pandemia de Covid-19, tinha a maior taxa de crescimento de mulheres na força de trabalho do mundo. A participação da mão de obra feminina na América Latina e no Caribe atingiu 58% em 2019, ante 52% em 2000, um ritmo sem precedentes, segundo o BID.

As diferenças dentro da região permanecem grandes, disse o BID. Alguns dos países latino-americanos mais avançados têm taxas de participação feminina na mão-de-obra próximas a 75%, enquanto os que estão na base estão perto de 40%.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.