Mercado abrirá em 7 h 14 min
  • BOVESPA

    107.937,11
    -1.004,57 (-0,92%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.890,59
    -708,79 (-1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,64
    +0,33 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.842,50
    +0,80 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    36.087,52
    +109,62 (+0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    821,53
    +10,93 (+1,35%)
     
  • S&P500

    4.410,13
    +12,19 (+0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.364,50
    +99,13 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.297,15
    -196,98 (-2,63%)
     
  • HANG SENG

    24.656,46
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    27.113,13
    -475,24 (-1,72%)
     
  • NASDAQ

    14.318,50
    -182,50 (-1,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2127
    -0,0160 (-0,26%)
     

Covid pode começar pela tosse ou pela febre dependendo da variante, diz estudo

·3 min de leitura

Primeiros sintomas da covid-19, como tosse ou febre, podem mudar dependendo da variante que a pessoa contraiu, segundo estudo da Universidade do Sul da Califórnia, nos Estados Unidos. Dessa forma, rastrear a ordem de sintomas da infecção é uma estratégia para facilitar a identificação de novos casos e impedir futuros surtos.

Publicado na revista científica PLOS Computational Biology, o estudo norte-americano analisou a varição de sintomas de milhares de pessoas que testaram positivo para a covid-19. A ideia inicial era entender se características do paciente, a localização geográfica e até mesmo o clima poderiam afetar os sintomas.

Ordem dos sintomas da covid-19 pode ser afetado pela variante que a pessoa contraiu (Imagem: Reprodução/Anna Shvets/Pexels)
Ordem dos sintomas da covid-19 pode ser afetado pela variante que a pessoa contraiu (Imagem: Reprodução/Anna Shvets/Pexels)

No entanto, os autores do estudo descobriram que a maior influência nas manifestações clínicas da doença estavam na variante pela qual a pessoa era infectada. As descobertas foram validadas com as primeiras cepas conhecidas do coronavírus SARS-CoV-2.

Sintomas das variantes

Segundo os pesquisadores, a primeira versão conhecida do coronavírus, descoberta na cidade de Wuhan, na China, causava como primeiro sintoma a febre. Em seguida, o paciente infectado relatava tosse e, em alguns casos, náuseas e vômitos.

No entanto, a primeira variante que se tornou dominante em todo o mundo, nos primeiros meses de 2020, a D614G, se manifestava através de uma ordem diferente de sintomas. Por conta da época, esta cepa não chegou a receber o nome de uma letra do alfabeto grego pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

No caso da variante D614G, o paciente infectado apresentava os sintomas, na seguinte ordem: tosse, febre e diarreia. Para os autores do estudo, esta ordem era válida para a maioria das pessoas, mesmo que existissem algumas alterações específicas.

Como os profissionais da saúde aguardavam a febre como o primeiro sintoma da covid-19, a mudança desse quadro inicial com a D614G pode ser uma das responsáveis pela disseminação da doença, segundo os pesquisadores. Inclusive, isso pode ter permitido que a variante se tornasse dominante em muitos locais.

Como chegaram aos sintomas?

Para chegar a esses resultados, os pesquisadores analisaram os sintomas originalmente descritos nos casos iniciais do primeiro surto da covid-19 na China. Em seguida, estabeleceram a ordem de sintomas mais prováveis entre um conjunto de 373,8 mil casos da doença, nos EUA, entre janeiro e maio de 2020, quando a variante D614G se tornou dominante.

Além disso, foram utilizados dados adicionais do Brasil, de Hong Kong e do Japão, incluindo a ordem dos sintomas e a variante dominante, nessas regiões, durante o mesmo intervalo de tempo.

Em comum, os resultados demonstraram que os primeiros sintomas da covid-19 dependem principalmente da variante do que de fatores externos. "O clima, a idade e as comorbidades não afetaram as previsões de nosso modelo sobre a ordem dos sintomas", defendem os autores.

Variantes e os fatores de identificação

“O estudo da ordem provável dos sintomas pode aumentar nossa compreensão de como a doença se espalha e informar ainda mais pesquisas futuras e cuidados de saúde sobre como os indivíduos podem ter a doença”, explica o cientistas Joseph Larsen, da Universidade do Sul da Califórnia, em comunicado.

“Com o surgimento de novas variantes e a probabilidade da covid-19 se tornar endêmica na população, é importante que os pesquisadores continuem a mostrar como as variantes virais afetam a progressão dos sintomas e da doença em indivíduos e populações”, acrescenta o pesquisador Peter Kuhn, da mesma universidade.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos