Mercado fechará em 4 h 26 min
  • BOVESPA

    107.872,15
    -1.069,53 (-0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,46
    -1,68 (-1,97%)
     
  • OURO

    1.840,60
    +8,80 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    33.576,38
    -2.028,53 (-5,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    762,45
    -48,15 (-5,94%)
     
  • S&P500

    4.329,19
    -68,75 (-1,56%)
     
  • DOW JONES

    33.827,66
    -437,71 (-1,28%)
     
  • FTSE

    7.360,21
    -133,92 (-1,79%)
     
  • HANG SENG

    24.656,46
    -309,09 (-1,24%)
     
  • NIKKEI

    27.588,37
    +66,11 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    14.158,75
    -267,75 (-1,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1998
    +0,0098 (+0,16%)
     

Covid perde maior parte do poder de infecção após 20 minutos

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- O coronavírus perde a maior parte de sua capacidade de infectar logo após ser exalado e é menos provável que seja contagioso a distâncias maiores, mostrou um estudo do Centro de Pesquisa de Aerossol da Universidade de Bristol.

Most Read from Bloomberg

Os pesquisadores descobriram que o vírus perde 90% de sua capacidade de contágio 20 minutos depois de entrar no ar e que a maior parte dessa perda acontece nos primeiros cinco minutos de chegada ao ar, segundo o estudo, que simula como o vírus se comporta após a expiração.

Com países como Espanha e Suíça abrindo o debate na Europa sobre uma fase endêmica do vírus, as informações sobre a maneira como o vírus viaja pelo ar ajudarão a orientar as medidas de contenção. Os resultados deste estudo, que não foram revisados por pares, reforçam a noção de que o vírus é transmitido principalmente a curtas distâncias, fornecendo um novo suporte ao distanciamento social e ao uso de máscaras como meio de conter infecções.

“Quando você se afasta, não apenas o aerossol é diluído, mas também há menos vírus infeccioso porque o vírus perdeu a infecciosidade [como resultado do tempo]”, disse Jonathan Reid, diretor do centro de pesquisa, em entrevista ao the Guardian, que relatou o estudo pela primeira vez na terça-feira.

As descobertas indicam que as partículas virais secam rapidamente depois de deixarem o ambiente úmido e rico em dióxido de carbono dos pulmões, reduzindo sua capacidade de infectar outras pessoas. A umidade do ar foi considerada um fator determinante na rapidez com que essas partículas são desativadas.

Em níveis de umidade abaixo de 50%, semelhantes ao ar seco encontrado em escritórios, o vírus perdeu metade de sua capacidade de se espalhar em cinco segundos. Quando a umidade subiu para 90%, semelhante aos níveis em chuveiros, o vírus perdeu a infecciosidade mais lentamente, com mais da metade das partículas ainda contagiosas após cinco minutos, mostrou o estudo.

A temperatura do ar, diz o estudo, não teve impacto na infecciosidade do vírus.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos