Mercado abrirá em 3 h 29 min
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,06
    -0,07 (-0,11%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +7,90 (+0,44%)
     
  • BTC-USD

    56.803,91
    -931,77 (-1,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.290,95
    -100,76 (-7,24%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.028,34
    +8,81 (+0,13%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    14.033,25
    +3,75 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6839
    -0,0022 (-0,03%)
     

COVID no BR | Óbitos podem chegar a 5 mil por dia entre abril e maio, diz estudo

Fidel Forato
·3 minuto de leitura

O Brasil enfrenta o pior momento da pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2) e a média móvel de óbitos já ultrapassou a marca de 2,2 mil mortes, de acordo com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). No entanto, a tendência é de pioria da situação, segundo pesquisa da Universidade Federal Fluminense (UFF). No cenário mais drástico, é possível que o país chegue a um pico de 5 mil óbitos diários em decorrência da COVID-19 nas próximas semanas.

"Aqui [no Brasil], o pico de óbitos será provavelmente em abril ou início de maio, com um valor estimado de até cinco mil óbitos diários. O valor real do pico dependerá da velocidade da vacinação nos próximos meses e das medidas de distanciamento adotadas", explicou Márcio Watanabe, professor do Departamento de Estatística UFF e um dos responsáveis pela pesquisa, para o jornal O Globo.

Óbitos no Brasil podem chegar a 5 mil por dia entre abril e maio, de acordo com estudo da UFF (Imagem: Reprodução/ktsimage/Envato)
Óbitos no Brasil podem chegar a 5 mil por dia entre abril e maio, de acordo com estudo da UFF (Imagem: Reprodução/ktsimage/Envato)

Estações do ano e o coronavírus

Este cenário previsto pela pesquisa foi elaborado a partir da sazonalidade do coronavírus. Como acontece anualmente com a gripe, os casos da infecção se intensificam durante as estações do outono e do inverno. No período, a imunidade natural do corpo humano tende a cair e a tendência é optar por ambientes fechados, com baixa circulação de ar. Ambas as atitudes favorecem a infecção do vírus da COVID-19, ainda mais quando a transmissão não foi controlada.

Com mais de um ano da descoberta do novo agente infeccioso, evidências já apontam que a sazonalidade afeta a transmissão da COVID-19 e, dessa forma, a transmissão tenderá a aumentar entre o final de março e os próximos meses no Brasil. "Outros países do hemisfério Sul já estão experimentando um aumento de casos recentemente, como Colômbia, Argentina, Uruguai e até o Chile, mesmo com a vacinação avançada", aponta Watanabe.

Hora de focar na vacinação contra a COVID-19

Para evitar que essa previsão limite se concretize, uma das apostas é se investir na vacinação contra a COVID-19, abrangendo além da população idosa, com mais de 65 anos. "Por exemplo, indivíduos de 50 a 60 anos são responsáveis por uma expressiva parcela das internações e óbitos, mas não estão relacionados como grupo de risco no plano nacional de imunização [PNI]. Enquanto o país não vacinar esse grupo de pessoas, e também integralmente os idosos e aqueles com comorbidades, ainda teremos um grande número de óbitos", defende o pesquisador.

De acordo com o estudo, a partir do ano de 2022, a infecção pelo coronavírus SARS-CoV-2 deve acompanhar, de forma mais direta, o padrão sazonal da gripe e de outras enfermidades respiratórias. Em outras palavras, será possível observar o aumento de casos e óbitos de março a junho, enquanto haverá uma diminuição em outras épocas do ano.

"Poderemos conviver com a COVID-19 da mesma forma que convivemos com outras doenças respiratórias, como a pneumonia, quando vacinarmos a grande maioria da população. Mas, mesmo com a vacina, a doença será endêmica, ou seja, sempre haverá casos", completa o pesquisador. Nesse cenário, será fundamental que as vacinas sejam atualizas anualmente para combater as possíveis mutações do agente infeccioso.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: