Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.608,76
    -345,14 (-0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.036,38
    +293,23 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,66
    +2,23 (+2,06%)
     
  • OURO

    1.808,30
    +6,80 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    19.918,25
    +617,28 (+3,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    429,24
    +9,10 (+2,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.232,65
    +64,00 (+0,89%)
     
  • HANG SENG

    21.830,35
    -29,44 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.153,81
    +218,19 (+0,84%)
     
  • NASDAQ

    11.554,00
    -57,25 (-0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5480
    -0,0107 (-0,19%)
     

Covid deve causar R$ 64,8 trilhões de prejuízo para a economia mundial

·2 min de leitura
Os impactos da pandemia ainda serão sentidos na economia mundial
Os impactos da pandemia ainda serão sentidos na economia mundial (Getty Image)
  • Estudo aponta que os efeitos da pandemia serão sentidos a longo prazo na economia mundial

  • A perda para a economia pode chegar a R$ 64,8 trilhões até 2024

  • Pesquisa reforça a necessidade de equidade na distribuição de vacinas

Os efeitos da pandemia serão sentidos por um longo período. Pelo menos é isso que indica o Panorama da Economia Mundial 2022, documento anual coordenado pelo FMI (Fundo Monetário Internacional) e Banco Mundial.

De acordo com o estudo “Uma estratégia global para gerenciar os riscos de longo prazo da covid19”, divulgado nesta terça-feira (5), a perda acumulada para a economia mundial pode chegar a R$ 64,8 trilhões até 2024.

Os desafios impostos pela pandemia e pela imunização global

O levantamento aponta as limitações impostas pelo acesso desigual aos métodos de prevenção e tratamento da doença traz impactos diretos na recuperação dos países. O risco do surgimento de novas variantes também gera preocupações.

“A ascensão acentuada de casos e mortes em alguns países da Ásia e o ressurgimento de casos na Europa são lembretes gritantes de que a pandemia não acabou”, diz o documento.

A recomendação é de uma resposta mais sustentável para a pandemia, utilizando um conjunto de medidas para ampliar o acesso às vacinas e a tratamentos de qualidade.

OMS tinha como meta a vacinação de ao menos 70% da população mundial até meados de 2022. No entanto, metade dos países mais pobres não conseguiram receber imunizantes gratuitos pela falta de capacidade de armazenamento ou por ausência de demanda.

Para além dos países vulneráveis, como alguns localizados na África, nações mais ricas e emergentes também não cumpriram a meta, como os Estados Unidos, Rússia, países do Leste Europeu, México e a Índia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos