Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.627,21
    +1.420,80 (+2,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Covid coloca em risco expectativa de forte crescimento da Índia

Vrishti Beniwal
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Há apenas duas semanas, o Fundo Monetário Internacional elevou a previsão de crescimento econômico da Índia para 12,5%, a taxa mais rápida entre as principais economias. Agora, com o maior aumento global de casos de Covid-19, essa visão otimista é cada vez mais incerta.

Em Nova Déli, a capital política da Índia, ruas e mercados estão praticamente desertos, com quase todas as lojas fechadas em resposta às restrições impostas pelo governo local para combater a pandemia. O cenário não é muito diferente em Mumbai, centro financeiro que responde por 6% do PIB nacional.

Por enquanto, o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, tem evitado decretar um lockdown nacional e incentivado os estados a manterem as economias abertas. E, por isso, economistas sinalizam riscos para suas projeções, embora argumentem que ainda não é o momento de descartá-las.

“Esta segunda onda de casos de coronavírus pode atrasar a recuperação, mas, na visão da Fitch, é improvável que seja revertida”, disse a agência de classificação de risco em comunicado de 22 de abril. A empresa manteve a previsão de crescimento do PIB indiano em 12,8% para os 12 meses até março de 2022.

Neste mês, o banco central da Índia também manteve a estimativa de expansão do PIB em 10,5% para o ano fiscal atual. Mas o presidente da instituição, Shaktikanta Das, disse que o aumento dos casos gera maior incerteza e pode atrasar o retorno da atividade econômica à normalidade.

Dados de alta frequência já apontam para uma maior queda da atividade de varejo na semana até 18 de abril em relação ao nível pré-pandemia, em janeiro de 2020, disse Abhishek Gupta, da Bloomberg Economics. É um risco relevante para uma economia em que o consumo representa cerca de 60% do PIB.

A relutância de economistas em revisar as previsões de crescimento pode estar apoiada nas expectativas de que a crise será de curto prazo. Por trás dessa confiança está a campanha de vacinação, que imunizou mais de 100 milhões de pessoas entre os mais de 1,3 bilhão de habitantes do país, além da promessa de apoio contínuo de políticas fiscais e monetárias.

“Embora os casos estejam aumentando rápido, também se espera que esta onda seja relativamente curta”, disse a economista Upasna Bhardwaj, do Kotak Mahindra Bank, entre os poucos que revisaram para baixo a previsão de crescimento da economia, em 50 pontos-base, para 10% no ano em curso. “No entanto, a incerteza permanece”, afirmou.

Essa incerteza não dá sinais de desaparecer rapidamente, pois a Índia registrou 349.691 novos casos de coronavírus e 2.767 mortes no domingo. Com quase 17 milhões de casos no total, é o segundo país mais afetado, atrás apenas dos EUA. O rastreador de vacinas da Bloomberg mostra que apenas cerca de 11 em cada 100 pessoas na Índia foram imunizadas com uma dose.

Embora o surto tenha sobrecarregado hospitais e crematórios do país, também abalou a confiança do consumidor em uma economia que apenas começava a se recuperar da recessão sem precedentes no ano passado.

“O aumento das infecções levou à reimposição de lockdowns parciais nas cidades e estados mais afetados e pode levar a lockdowns completos se a situação piorar”, disse Kristy Fong, diretora sênior de investimentos para ações asiáticas da Aberdeen Standard. “Isso terá um impacto indireto na reabertura da economia e nas perspectivas de recuperação.”

Essas preocupações contribuíram para que o índice acionário de referência do país tivesse o pior resultado da Ásia este mês, enquanto a rupia mostrou o desempenho mais fraco da região no último mês, pois investidores precificaram o impacto das restrições no crescimento econômico.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.