Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.561,35
    -366,44 (-0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.957,70
    +212,78 (+0,40%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,30
    +0,48 (+0,57%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +2,40 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    42.273,62
    -723,49 (-1,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.016,19
    -9,54 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.611,23
    +68,28 (+0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.218,03
    -165,29 (-0,68%)
     
  • NIKKEI

    28.333,52
    +209,24 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    15.559,25
    -36,50 (-0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3012
    -0,0162 (-0,26%)
     

Covid-19: veja tudo o que se sabe sobre a nova variante Ômicron

·6 min de leitura

Pouco mais de uma semana após cientistas em Botsuana e na África do Sul alertarem sobre uma nova variante do Sars-CoV-2, ainda temos mais perguntas do que respostas sobre ela. No dia seguinte ao alerta, a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou a B.1.1.529 como uma variante de preocupação (VOC), que passou a se chamar Ômicron.

Quais os sintomas? Como ela é diagnosticada? As vacinas atuais são eficazes contra ela? Pesquisadores do mundo todo estão correndo para detalhar as respostas sobre essas e tantas outras questões e, assim, esclarecer a real ameaça que a Ômicron representa. Alguns esclarecimentos ainda levarão alguns dias ou semanas para virem à tona. Enquanto isso, o EXTRA reúne tudo o que a ciência já conseguiu esclarecer sobre a nova variante, que já soma seis casos confirmados no Brasil.

Onde foi detectada a variante Ômicron?

O primeiro país a notificar a Ômicron foi a África do Sul, que emitiu um alerta à Organização Mundial da Saúde (OMS) no dia 24 de novembro. Segundo a OMS, as análises encontraram a variante pela primeira vez na amostra de um teste coletado em 9 de novembro. Com o anúncio da nova cepa, outros países passaram a sequenciar os genomas dos vírus encontrados em pessoas que testaram positivo para a Covid-19.

Na Holanda, por exemplo, um viajante testado em 19 de novembro já apresentava a Ômicron, o que mostra que a nova variante já estava circulando pela Europa antes de a África do Sul investigar o aumento de casos repentinos e descobrir a nova cepa. A Nigéria, por sua vez, encontrou a Ômicron em uma amostra coletada em outubro.

Quais são os sintomas?

O primeiro sinal de que as novas infecções por Covid-19 estavam diferentes foi observado pela médica sul-africana Angelique Coetzee ao atender pacientes com sintomas diferentes dos normalmente apresentados por aqueles que eram acometidos pela Delta. Os novos pacientes queixavam-se de cansaço, dores musculares, coceira na garganta ou garganta arranhando. Em poucos casos, apresentavam também febre baixa e tosse seca.

Entre os sintomas mais comuns da Delta estão pulsação elevada, baixos níveis de oxigênio e perda de olfato e de paladar.

Os sintomas da Ômicron são mais parecidos com a da Beta, que também foi identificada pela primeira vez na África do Sul.

Como diagnosticar a nova variante do vírus?

A identificação da nova variante só foi possível graças ao sequenciamento genético do vírus, que apontou as mutações que a fizeram ser diferente das demais cepas do coronavírus. Portanto, esse seria o melhor método para diferenciar a Ômicron de outras variantes.

No entanto, a Ômicron é relativamente fácil de ser distinguida da Delta em testes de PCR. Ao contrário da Delta, a Ômicron tem uma mutação que causa o que é chamado na genética de “drop-out do gene S”.

Isso significa que uma das partes do vírus, que é identificada pelo teste PCR, não está presente nessa variante. Dessa forma, testes que vierem com um resultado onde apenas duas partes foram identificadas, em vez de três, indicariam a infecção pela nova variante.

Portanto, os testes podem ser usados como marcadores para esta variante, podendo ser confirmada posteriormente pelo sequenciamento do material genético do vírus.

A Ômicron é mais transmissível que as outras cepas?

De acordo com a OMS, tudo indica que a Ômicron seja mais transmissível do que as outras variantes, incluindo a Delta, mas isso ainda não está definido. A África do Sul relatou um aumento de testes positivos para Covid-19 em áreas onde a variante está circulando. Estudos epidemiológicos estão em andamento para entender se o aumento de casos foi provocado pela nova cepa ou por outros fatores.

Evidências preliminares sugerem que pode haver um risco aumentado de reinfecção com a Ômicron (ou seja, pessoas que já tiveram Covid-19 podem ser reinfectadas mais facilmente com a nova cepa), em comparação com outras variantes preocupantes. Porém, por enquanto, as informações são limitadas. Mais dados sobre isso estarão disponíveis nos próximos dias e semanas, de acordo com a organização

Quais são os tratamentos contra a nova variante?

Segundo a OMS, corticosteroides (como a dexametasona) e medicamentos bloqueadores da interleucina-6 (como tocilizumabe e sarilumabe) ainda são indicados para o tratamento de Covid-19 grave causada por qualquer tipo de variante. Outros tratamentos serão avaliados para ver se eles ainda são tão eficazes, dadas as alterações em partes do vírus na variante Ômicron.

A empresa Regeneron, que desenvolveu um coquetel de anticorpos monoclonais, disse que seu medicamento pode ser menos eficaz contra a variante Ômicron do coronavírus, uma indicação de que esse tipo de tratamento pode precisar ser atualizado no caso de a nova variante se espalhar agressivamente.

Mas já há um bom sinal. A farmacêutica britânica GSK disse que o coquetel de anticorpos sotrovimab, desenvolvido em parceria com a norte-americana Vir, é eficaz contra a Ômicron. O dado é baseado em testes laboratoriais e em um estudo com hamsters. Segundo as empresas, os testes continuam para confirmar os resultados contra todas as mutações da Ômicron. Os resultados são esperados até o final do ano.

Os anticorpos monoclonais são indicados no início dos sintomas, para pacientes com alto risco de evoluir para casos graves. O medicamento é administrado por via intravenosa, em ambiente hospitalar. Produtos semelhantes são oferecidos ou estão sendo desenvolvidos pela Eli Lilly e a AstraZeneca.

As atuais vacinas funcionam contra a Ômicron?

A grande dúvida a ser respondida é exatamente essa. Ainda não se sabe se as vacinas são menos eficazes contra a Ômicron, mas existe esse risco devido às mutações encontradas na variante. A maioria delas está na proteína spike, que é o principal alvo das vacinas disponíveis atualmente.

Além disso, a nova cepa possui a mutação E484K, também encontrada na Beta. Essa mutação comprovadamente escapa aos anticorpos monoclonais e tinha a capacidade de escapar das vacinas. As principais desenvolvedoras dos imunizantes disponíveis — Pfizer-BioNTech, Oxford-AstraZeneca, Moderna e Johnson & Johnson — já iniciaram testes para avaliar a eficácia de seus imunizantes contra a variante. Resultados são esperados em cerca de duas semanas. Elas também já se adiantaram e começaram a desenvolver novas versões, destinadas à nova cepa.

A Pfizer disse que pode ter um novo imunizante pronto em cerca de 95 dias. A Jonhson & Johnson afirmou que irá desenvolver uma vacina contra a variante se for necessário e a Moderna pode levar uma versão atualizada de seu imunizante aos testes clínicos em humanos em até 90 dias.

Quantos casos há no Brasil e em quais países ela já foi detectada?

Até ontem, sábado, seis casos da nova variante haviam sido confirmados no Brasil. São três em São Paulo, dois no Distrito Federal e um no Rio Grande do Sul, de pessoas que retornaram do continente africano.

Além do Brasil, a nova variante já foi identificada em 39 países. Destes, dez apresentam transmissão local da variante, incluindo África do Sul, Botsuana, Austrália e Estados Unidos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos