Mercado abrirá em 1 h 32 min
  • BOVESPA

    111.399,91
    +2.506,91 (+2,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.895,63
    +1.116,73 (+2,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,53
    -0,02 (-0,04%)
     
  • OURO

    1.828,10
    +9,20 (+0,51%)
     
  • BTC-USD

    19.087,93
    -83,82 (-0,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    374,41
    -5,45 (-1,44%)
     
  • S&P500

    3.662,45
    +40,82 (+1,13%)
     
  • DOW JONES

    29.823,92
    +185,32 (+0,63%)
     
  • FTSE

    6.396,01
    +11,28 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    26.532,58
    -35,10 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.800,98
    +13,44 (+0,05%)
     
  • NASDAQ

    12.434,50
    -17,75 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3034
    -0,0036 (-0,06%)
     

Covid-19: vacina de Oxford produz resposta imunológica "robusta" em idosos

·1 minuto de leitura
Foto: Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images
Foto: Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

Resultados preliminares dos testes realizados com a vacina da AstraZeneca contra o novo coronavírus, desenvolvida em parceria com a universidade de Oxford, mostraram uma resposta imunológica “robusta” em idosos. A informação é do jornal Financial Times.

Além disso, de acordo com o veículo, idosos tiveram pouca reações adversas à substância. Os resultados mostram que a vacina desencadeia a produção de anticorpos e células T em grupos de pessoas com idade mais avançada. Os detalhes devem ser publicados em breve em um veículos científicos.

Leia também

A vacina da AstraZeneca já havia demonstrado bons resultados no grupo de adultos saudáveis (de 18 a 55 anos), de acordo com dados divulgados em julho.

“É encorajador ver que as respostas de imunogenicidade foram semelhantes entre adultos mais velhos e mais jovens e que as reações adversas foram menores em adultos mais velhos, onde a gravidade da doença covid-19 é maior”, afirmou um porta-voz da AstraZeneca à agência Reuters.

No Brasil, o imunizante é desenvolvido em parceria com a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) e o país deve adquirir 30 milhões de doses, independentemente do resultado dos testes. Mais 70 milhões de unidades podem ser produzidos de acordo com o avanço dos estudos. Ao todo, mais de cinco mil voluntários já participaram de estudos clínicos por aqui.

Outra vacina, a Coronavac, monopolizou as manchetes durante toda a semana passada depois que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), fez críticas à credibilidade do imunizante por sua origem, numa crítica à China.