Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.991,07
    -1.584,40 (-1,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.751,41
    +77,11 (+0,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,33
    -0,20 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.780,70
    -7,40 (-0,41%)
     
  • BTC-USD

    19.395,92
    -13,10 (-0,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,85
    +16,26 (+4,46%)
     
  • S&P500

    3.620,37
    -17,98 (-0,49%)
     
  • DOW JONES

    29.608,04
    -302,33 (-1,01%)
     
  • FTSE

    6.266,19
    -101,39 (-1,59%)
     
  • HANG SENG

    26.341,49
    -553,19 (-2,06%)
     
  • NIKKEI

    26.433,62
    -211,09 (-0,79%)
     
  • NASDAQ

    12.263,75
    +6,25 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3913
    +0,0167 (+0,26%)
     

COVID-19 | Taxa de contágio volta a crescer no Brasil, diz estudo

Fidel Forato
·3 minuto de leitura

Mesmo que algumas regiões do globo tenham controlado o novo coronavírus (SARS-CoV-2), a pandemia ainda terminou. Na segunda-feira (2), foram registrados mais de 470 mil casos da COVID-19 no mundo, segundo a plataforma Worldometer. Nesse cenário, a taxa de transmissão do coronavírus — também conhecido como Rt ou taxa R — volta a crescer no Brasil, depois de cinco semanas de queda.

De acordo com o monitoramento do Imperial College de Londres, no Reino Unido, divulgado ontem, a taxa R de transmissão do coronavírus está em 1,01 no Brasil. Pelas estatísticas do instituto, essa taxa pode ser maior (até Rt = 1,09) ou menor (até Rt = 0,92). Esses dados consideram a média das estimativas de mortes na comparação das duas últimas semanas.

Taxa de contágio da COVID-19 volta a crescer no Brasil (Imagem: Reprodução/ Fernando Zhiminaicela/ Pixabay)
Taxa de contágio da COVID-19 volta a crescer no Brasil (Imagem: Reprodução/ Fernando Zhiminaicela/ Pixabay)

Quando o Rt é superior a 1, cada infectado transmite a infecção para mais de uma pessoa e a COVID-19 avança. Com a taxa de 1,01, cada 100 pessoas infectadas pelo novo coronavírus conseguem transmitir a doença para outras 101 pessoas, ou seja, o número de doentes volta a crescer. Para evitar que esse índice cresça mais, é importante o rastreio de casos de pessoas infectadas e o isolamento desses casos.

Com esses dados, os cientistas apontam, em relatório, que "a notificação de mortes e casos no Brasil está mudando; os resultados devem ser interpretados com cautela", sem mais detalhes. Vale lembrar que, em agosto, a Rt do novo coronavírus no país caiu pela primeira vez para valores abaixo de 1, e permaneceu assim por algumas semanas.

Segundo levantamento feito pelo G1 com dados do Ministério da Saúde, foi observada uma queda nos testes no país entre agosto e setembro. De acordo com especialistas ouvidos para o estudo, esse pode ser um indicativo de piora na capacidade em identificar casos da doença e que favorece o aumento de infectados.

COVID-19 no Brasil

A partir dos dados disponibilizados pelas secretarias de saúde dos estados, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) atualizou os números da COVID-19 na segunda-feira, dentro do território nacional. São 5.554.206 casos diagnosticados para a COVID-19, sendo que a média móvel de novas notificações dos últimos sete dias é de 20.622.

No total, são 160.253 óbitos acumulados em decorrência da infecção causada pelo coronavírus, sendo que a média móvel de óbitos dos últimos sete dias é de 408 mortes. Com isso, a taxa de mortalidade no país é de 76,3 para cada 100 mil habitantes, enquanto a de incidência da infecção respiratória é de 2.643 para cada 100 mil pessoas.

Com aumento da transmissão da COVID-19, Brasil registra mais de 5,5 milhões de casos (Imagem: Reprodução/ Conass)
Com aumento da transmissão da COVID-19, Brasil registra mais de 5,5 milhões de casos (Imagem: Reprodução/ Conass)

Entre os estados, São Paulo registra os maiores números totais desde a chegada do coronavírus em fevereiro. São 1.117.795 casos da COVID-19 e 39.346 mortes acumuladas. No ranking, o segundo estado é Minas Gerais, com 360.830 casos e 9.047 óbitos, seguido pela Bahia, com 354.576 casos e 6.667 mortes.

Para acessar as estimativas mundiais das taxas de transmissão da COVID-19, desenvolvidas pela universidade Imperial College, clique aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: