Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    47.839,36
    +486,36 (+1,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7797
    -0,0062 (-0,09%)
     

Covid-19: Segunda onda se confirma e Brasil tem maior média de novas mortes em 6 meses

·2 minuto de leitura
Foto: Miguel Schincariol/Getty Images
Foto: Miguel Schincariol/Getty Images

O Brasil registrou um novo recorde neste sábado (30) e, pelo segundo dia consecutivo, teve a maior média de novas mortes por Covid-19 na última semana desde o fim de julho, auge da primeira onda no país.

A média móvel de mortes chegou a 1.071 óbitos neste sábado. Na sexta (29) o país havia registrado média de 1.068 mortes por dia na semana anterior. Antes disso, o recorde havia sido em 26 de julho, com média de 1.074 óbitos.

Leia também

Neste sábado, foram registradas 1.194 mortes e 55.521 casos da doença. Com isso, o país chegou a 223.971 óbitos e a 9.175.194 pessoas infectadas pela Covid-19 desde o início da pandemia.

Contudo, o número real é ainda maior porque o estado do Ceará não atualizou os dados até as 20h deste sábado.

Os dados do país são fruto de colaboração inédita entre Folha, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

Além dos dados diários, a Folha também mostra a chamada média móvel. O recurso estatístico busca dar uma visão melhor da evolução da doença, pois atenua números isolados que fujam do padrão. A média móvel é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete.

​A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorre em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​

Os números oficiais do Ministério da Saúde apontam para 223.945 mortes e 9.176.975 casos confirmados da doença.

O Brasil é o segundo país com o maior número de mortes pela doença. Os Estados Unidos ocupam o primeiro lugar, com 438.913. Abaixo do Brasil, estão México com 156.579 mortos, Índia, com 154.147 mortos, e o Reino Unido, com 105.777.

Na América do Sul, chama a atenção também o número de mortos do Peru: 40.686.

***Da Folhapress