Mercado fechado

COVID-19: São Paulo entra na fase verde; saiba como funcionará a flexibilização

Nathan Vieira
·2 minutos de leitura

Sem dúvidas, a pandemia impactou a rotina da capital paulista. No entanto, nesta sexta-feira (9), a cidade de São Paulo passou para a fase verde. Por enquanto, o anúncio oficial sobre a novidade está para ser feito em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, com direito a uma atualização mais detalhada dos estágios de cada região na pandemia. Acontece que a fase verde é condição dada pela prefeitura para a reabertura de museus, cinemas, casas de shows e teatros, conforme o Plano São Paulo, programa de retomada de atividades econômicas.

Desde o dia 29 de junho, a cidade de São Paulo se encontrava na fase amarela do Plano São Paulo, e em 3 de julho, o governo do estado recomendou a reabertura das instituições culturais caso a cidade se mantivesse nesse estágio por 28 dias consecutivos, só que a prefeitura não acatou a essa recomendação.

Enquanto isso, em 3 de setembro, foram divulgados protocolos de saúde nos setores de cinemas, teatros, shows e museus, com as seguintes medidas: “todos os funcionários que apresentarem sintoma de síndrome gripal (febre, mesmo que relatada, tosse ou dor de garganta ou coriza ou dificuldade respiratória) serão considerados suspeitos de portarem COVID-19, devendo ser afastados e só podendo retornar às atividades após 15 dias do primeiro sintoma, caso todos os sintomas tenham findado, ou caso esteja munido do resultado negativo”.

Além disso: “antes de entrar nas dependências do estabelecimento, todos os visitantes deverão sujeitar-se a medição de temperatura, sendo considerados suspeitos de portarem COVID-19 aqueles que apresentarem febre, ainda que leve (a partir de 37,5°C). Nestes casos, indicar ao usuário que procure um posto de saúde próximos da região”.

São Paulo deserta por causa do coronavírus no início de março (Imagem: Fidel Forato/Canaltech)
São Paulo deserta por causa do coronavírus no início de março (Imagem: Fidel Forato/Canaltech)

Além da capital, o governo também incluiu na lista de reabertura das regiões de Piracicaba, Taubaté, Sorocaba, Campinas e Baixada Santista. Ainda segundo o governo, a fase verde permite que, após o 28º dia de mudança, ocorram eventos, convenções e outras atividades culturais com o público em pé, mantendo-se excluídos os "grandes shows". Os estabelecimentos passarão a funcionar por mais tempo (e com mais pessoas): antes, na fase amarela, eram oito horas diárias, com 40% de capacidade. Na fase verde, são até 12 horas, com 60% de ocupação.

Assim como as outras cidades que integram São Paulo, a capital espera o fornecimento de doses da CoronaVac, potencial vacina contra a COVID-19 feita pela biofarmacêutica chinesa Sinovac, previsto para dezembro deste ano. O imunizante contra o coronavírus (SARS-CoV2) é desenvolvido em parceria com o Instituto Butantan. A segurança do imunizante, que utiliza o vírus inativado ("morto"), foi comprovada em uma pesquisa com mais de 50 mil voluntários na China.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: