Mercado fechará em 2 h 3 min
  • BOVESPA

    110.786,98
    +1.943,23 (+1,79%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.824,54
    +266,89 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,43
    +0,14 (+0,20%)
     
  • OURO

    1.777,20
    +13,40 (+0,76%)
     
  • BTC-USD

    41.619,30
    -2.462,96 (-5,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.038,13
    -25,71 (-2,42%)
     
  • S&P500

    4.357,82
    +0,09 (+0,00%)
     
  • DOW JONES

    33.983,50
    +13,03 (+0,04%)
     
  • FTSE

    6.980,98
    +77,07 (+1,12%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    15.023,25
    +13,75 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1841
    -0,0606 (-0,97%)
     

Covid-19: Rio prevê começar em outubro a aplicar a dose de reforço em idosos

·5 minuto de leitura

A prefeitura do Rio já tem previsão para aplicação da terceira dose da vacina contra a Covid-19 nos idosos, assim que concluir o calendário para os demais públicos. A chamada dose de reforço deve começar em outubro para os que têm mais de 80 anos, seguindo em novembro para os com mais de 70, chegando a dezembro para os que estão acima dos 60. Porém, quando divulgou esse calendário, a Secretaria Municipal de Saúde esclareceu que a aplicação só acontecerá se houver evidência científica sólida (de sua eficácia) e recomendação do Programa Nacional de Imunização (PNI). O secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz voltou a apelar, nesta terça-feira, para as pessoas não deixarem de levar os idosos aos postos.

— É um risco ter em casa um idoso que não se vacinou. É importante que todas as pessoas com mais de 60 anos se vacinem — apelou o secretário.

O alerta do secretário é feito num momento em que um estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) mostra que depois de quatro meses de queda ou estabilidade, o número de hospitalizações por síndrome respiratória aguda grave entre idosos com diagnóstico confirmado de Covid-19 voltou a apresentar tendência de aumento no estado. O alerta partiu do grupo de pesquisa Métodos Analíticos para Vigilância Epidemiológica, da Fiocruz (Mave/Fiocruz) e do Observatório Covid-19 BR, que traçam modelagens estatísticas da pandemia a partir de dados do Sistema de Informação de Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sivep-Gripe), do Ministério da Saúde.

Na última semana epidemiológica, os dados compilados pelo grupo mostram que o número de internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) é crescente em três faixas etárias: 60 a 69 anos, 70 a 79 e 80 anos ou mais, sendo este último o público com o aumento mais acentuado. É um novo cenário que coloca o Rio de Janeiro na contramão de outros estados do país, com retorno da tendência de alta para casos confirmados de Covid-19, conforme apontou o boletim do consórcio de veículos da imprensa deste domingo.

Os dados da Fiocruz, que leva em conta a semana dos primeiros sintomas da SRAG, mostram ainda que o grupo de 80 anos ou mais tem também o maior número absoluto de hospitalizações entre as faixas que registram aumento. Nesse público, o total de novos casos projetados na atualização mais recente é de 595 ocorrências. Em seguida vêm as pessoas de 70 a 79 anos, com cerca de 420 hospitalizações, e de 60 a 69, com aproximadamente 380.

Soranz afirmou que entre as medidas que o município está tomando para reverter essa tendência estão a aceleração da vacinação, com a aplicação das doses num número grande de locais para garantir a comodidade da população. Mas disse que para manter esse ritmo é necessário que o Ministério da Saúde não atrase a entrega das doses. Soranz reforçou ainda que não é o momento de relaxar com as medidas de restrição e recomentou que a população continue usando a máscara de proteção, mantenha o distanciamento e evitem aglomerações. O secretário municipal de Saúde do Rio disse que vê com preocupação essa tendência, porque a cidade atravessa um período de inverno rigoroso com a chegada da variante Delta, que é uma combinação perigosa

— É previsível (tendência de aumento de casos). A gente está momento desafiador. Em pleno inverno e nuca vimos um tempo tão frio, o que incentiva as pessoas a permanecerem mais tempo em ambientes fechados e, com a chegada da variante Delta forma uma combinação perigosa e ideal para o vírus — afirmou.

A preocupação do secretário ganha novos contornos quando se sabe que há um grande número de idosos que sequer tomou a primeira dose. Na capital são 23 mil. Em todo o estado são 221 mil (as informações estão sujeitas ao atraso na atualização dos dados). Para se ter uma ideia do que isso representa, é como se quase toda a população de um município como Cabo Frio, que tem 230 mil habitantes, não tivesse sido imunizada.

Além disso, muitos que tomaram a primeira dose da vacina não retornaram aos postos para completar a imunização. Só na capital, a quantidade de idosos que não voltaram aos locais de vacinação beira os 100 mil, conforme o GLOBO mostrou neste sábado, a partir de informações da Secretaria municipal de Saúde (SMS).

A situação é bem diferente em São Paulo, por exemplo. Dados extraídos da plataforma LocalizaSUS e das estimativas populacionais do Sistema Estadual de Análise de Dados de São Paulo (Seade) mostram que o número de idosos paulistas vacinados com ao menos uma dose da vacina já chegou a 120%, ou seja, superou as projeções da população total do estado para a faixa etária. Enquanto isso, o Rio se encontra no patamar dos 92% idosos contemplados com uma injeção do imunizante.

Embora ainda considerem que é cedo para definir as causas dos novos índices, mas já é possível levantar hipóteses, os pesquisadores acreditam que uma delas se relaciona com os eventuais buracos na cobertura vacinal das pessoas com 60 anos ou mais. Para o pesquisador da Fiocruz, Marcelo Gomes, os novos números podem ter ainda uma outra causa: uma eventual saturação do efeito da vacina. A hipótese joga luz sobre a importância das medidas restritivas de combate ao contágio.

— Ainda não está muito claro o que está por trás desses números, mas um novo aumento de internações entre idosos pode significar que a vacina já entregou o que tinha de entregar, e que outros fatores seguem tendo influência sobre a pandemia. Não conseguimos reduzir o índice de transmissão, de modo que a população mais idosa, sobretudo dos 60 aos 69 anos, permaneceu superexposta — diz Gomes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos