Mercado abrirá em 8 h 6 min
  • BOVESPA

    114.177,55
    -92,52 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.164,01
    +292,65 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,33
    +0,32 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.924,40
    -5,60 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    22.818,45
    -323,04 (-1,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    516,98
    -10,21 (-1,94%)
     
  • S&P500

    4.060,43
    +44,21 (+1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.949,41
    +205,57 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    +16,24 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    22.536,72
    -30,06 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    27.383,00
    +20,25 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.038,25
    -68,50 (-0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5129
    -0,0068 (-0,12%)
     

Covid-19: rejeição às vacinas cresce no Brasil, segundo relatório

Na última segunda-feira (9), um relatório publicado na Nature Medicine apontou que a aceitação das vacinas aumentou em diversos países. Mundialmente, essa aceitação foi de de 75,2% em 2021 para 79,1% em 2022. No entanto, o Brasil apresentou uma situação diferente, com direito a um aumento da rejeição às vacinas.

Para chegar a esses dados, os pesquisadores analisaram a situação de 23 países. Além do Brasil, a aceitação da vacina também diminuiu em outros sete países, com direito a hesitação em receber uma dose de reforço contra a covid-19. Com isso, o estudo destaca a necessidade de estratégias de comunicação personalizadas para abordar a importância

"A pandemia não acabou e as autoridades devem abordar com urgência a hesitação e a resistência à vacina como parte de sua estratégia de prevenção da covid-19", afirmam os pesquisadores.

Os autores entrevistaram 23 mil pessoas ao todo, distribuídas pelos seguintes países: Brasil, Canadá, China, Equador , França, Alemanha, Gana, Índia, Itália, Quênia, México, Nigéria, Peru, Polônia, Rússia, Cingapura, África do Sul, Coreia do Sul, Espanha, Suécia, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos.

Rejeição às vacinas cresce no Brasil, segundo relatório (Imagem: Twenty20photos/Envato Elements)
Rejeição às vacinas cresce no Brasil, segundo relatório (Imagem: Twenty20photos/Envato Elements)

A disposição dos pais em vacinar seus filhos também aumentou ligeiramente, de 67,6% em 2021 para 69,5% em 2022. No entanto, oito países observaram maior hesitação (de 1,0% no Reino Unido para 21,1% na África do Sul). Quase um em cada oito (12,1%) entrevistados vacinados estava hesitante sobre as doses de reforço. Essa hesitação foi maior entre as faixas etárias mais jovens (18-29).

Além disso, quase 40% dos entrevistados relataram prestar menos atenção às novas informações do COVID-19 do que antes. Os pesquisadores defendem que as estratégias de saúde pública para aumentar a cobertura de reforço precisarão ser mais sofisticadas e adaptáveis ​​para cada ambiente e população-alvo.

No geral, os dados fornecidos nas pesquisas podem ser úteis para os tomadores de decisão, profissionais e pesquisadores do sistema de saúde para abordar a rejeição à vacina contra covid-19 de maneira mais eficaz.

Rejeição às vacinas

Anteriormente, um estudo apontou que essa atitude de rejeitar as vacinas é fortalecida principalmente pela falta de informações acerca dos efeitos colaterais das fórmulas. Segundo o artigo, uma mensagem de saúde pública com foco na noção de que uma parte significativa de seus efeitos colaterais não decorre da vacina pode ser benéfica.

Transmitir que os efeitos colaterais da vacina contra covid-19 podem ser causados ​​por ansiedade ou uma expectativa negativa anterior pode ser extremamente eficaz contra a rejeição às vacinas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: