Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,74
    -0,41 (-0,65%)
     
  • OURO

    1.738,10
    +1,80 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    63.133,98
    -208,37 (-0,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.370,73
    -5,04 (-0,37%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.939,58
    +49,09 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    29.743,32
    +122,33 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    13.822,25
    +23,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7753
    +0,0024 (+0,04%)
     

Covid-19: Prefeitos pedem 'providências imediatas' a Bolsonaro diante da falta de oxigênio e 'kit intubação'

Redação Notícias
·4 minuto de leitura
Health workers treat a COVID-19 patient at the intense care unity of a field hospital set inside a gymnasium in Santo Andre, on the outskirts of Sao Paulo, Brazil, Thursday, March 4, 2021. (AP Photo/Andre Penner)
Dados das secretarias municipais de Saúde mostram que, em vários estados, os estoques públicos de medicamentos para intubação estão em níveis críticos e podem acabar nos próximos 20 dias (Foto: Photo/Andre Penner)
  • Frente Nacional de Prefeitos, a FNP, enviou ofício ao Ministério da Saúde pedindo providências imediatas para falta de insumos para intubação

  • O "kit intubação" tem, entre outros itens, remédios para anestesia, sedação e relaxamento muscular. Itens essenciais para atender pacientes com sintomas graves da Covid-19

  • Representantes dos laboratórios já disseram ao governo que não dão conta de atender a demanda em curto prazo e sugeriram que o ministério importe esses remédios

A Frente Nacional de Prefeitos (FNP) enviou, nesta quinta-feira (18), um ofício ao Ministério da Saúde pedindo "providências imediatas" do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) para suprir a falta de oxigênio e medicamentos para sedação de pacientes com Covid-19 intubados, o chamado "kit intubação".

A falta de insumo e aumentos de internações estão sendo registradas em municípios de todo o Brasil. Dados das secretarias municipais de Saúde mostram que, em vários estados, os estoques públicos de medicamentos para intubação estão em níveis críticos e podem acabar nos próximos 20 dias.

Leia também:

O "kit intubação" tem, entre outros itens, remédios para anestesia, sedação e relaxamento muscular. Itens essenciais para atender pacientes com sintomas graves da Covid-19.

Segundo o documento, publicado pelo G1, o governo federal pode tanto atuar na compra de medicamentos, como também tem a condição de determinar o redirecionamento de insumos e produtos para cidades que enfrentam o problema.

De acordo com a FNP, prefeitos e prefeitas pedem por uma atuação imediata do governo federal para evitar que "as cenas trágicas e cruéis recentemente presenciadas em Manaus, no Amazonas, não se repitam em outras cidades brasileiras."

"Não é razoável que pessoas, cidadãos brasileiros, sejam levados à desesperadora morte por “afogamento” no seco, ou que sejam amarrados e mantenham a consciência durante o delicado e doloroso processo de intubação e depois na sua longa permanência", diz trecho da nota.

A FNP reúne às 412 cidades com mais de 80 mil habitantes, o que abrange todas as capitais, e representa 61% da população brasileira. A entidade tem liderado a criação de um consórcio público para a compra de vacinas por municípios.

Falta de insumos e colapso na Saúde

Relatives attend a burial service of a person who died from complications related to COVID-19 at the Vila Formosa cemetery in Sao Paulo, Brazil, Thursday, March 11, 2021. One year after the World Health Organization officially declared the spread of the coronavirus a pandemic, Brazil is reporting almost 2,000 deaths per day. (AP Photo/Andre Penner)
A situação no estado da região sul do país é tão extrema que, nesta quinta-feira (18), o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), afirmou que Manaus irá enviar 200 cilindros de oxigênio para para o estado ainda hoje. (AP Photo/Andre Penner)

Segundo apurou o G1, no Pará, os 12 hospitais da rede estadual só têm estoque para mais 15 dias. No Paraná, os bloqueadores neuromusculares são suficientes para apenas dois dias; sedativos e analgésicos só para mais uma semana.

A situação no estado da região sul do país é tão extrema que, nesta quinta-feira (18), o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), afirmou que Manaus irá enviar 200 cilindros de oxigênio para para o estado ainda hoje.

No Distrito Federal, o presidente do Conselho Regional de Medicina alertou para o baixo estoque de antibióticos e sedativos na rede pública. Segundo o G1, o dia começou com estoque zerado de dois remédios: o propofol, que é um anestésico geral de curta duração; e o vecurônio, relaxante muscular, que serve para facilitar a introdução do tubo na traqueia.

Laboratórios pedem para ministério importar remédios

O novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga já foi informado da situação. Segundo fontes ouvidas pelo Jornal Nacional, representantes dos laboratórios já disseram ao governo que não dão conta de atender a demanda em curto prazo e sugeriram que o ministério importe esses remédios.

A deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) também comentou, nesta quinta-feira (18), a situação em uma rede social.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

"URGENTE! Brasil tem estoque de medicamento para intubação para pouco mais de 2 semanas. E O GOVERNO SABE", escreveu no Twitter.

Maior colapso sanitário da história do país

Além disso, a situação é crítica também em relação aos leitos de UTI. Entre as 27 unidades da federação, 24 estados e o DF estão com ocupação de leitos de UTI acima dos 80%. Entre esses estados, 15 tem ocupação maior que 90%. Roraima (73%) e Rio de Janeiro (79%) são as únicas duas unidades da federação com índices mais baixos.

Os dados estão no documento divulgado na terça-feira (16) pela FioCruz (Fundação Oswaldo Cruz). Segundo a Fundação, o país vive o maior colapso sanitário da história.