Mercado abrirá em 2 h 5 min
  • BOVESPA

    110.235,76
    +1.584,71 (+1,46%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.808,21
    +566,41 (+1,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    92,70
    +0,77 (+0,84%)
     
  • OURO

    1.805,60
    -8,10 (-0,45%)
     
  • BTC-USD

    24.494,85
    +1.432,71 (+6,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    576,60
    +45,38 (+8,54%)
     
  • S&P500

    4.210,24
    +87,77 (+2,13%)
     
  • DOW JONES

    33.309,51
    +535,11 (+1,63%)
     
  • FTSE

    7.485,19
    -21,92 (-0,29%)
     
  • HANG SENG

    20.082,43
    +471,59 (+2,40%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.410,75
    +18,75 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2600
    +0,0136 (+0,26%)
     

Covid-19: por que ainda não temos vacina contra as variantes?

Com a ascensão da pandemia, as vacinas contra covid-19 foram desenvolvidas, testadas e implementadas em tempo recorde. No entanto, o vírus continua evoluindo, e os imunizantes ainda têm como alvo o vírus original que foi identificado no final de 2019. Por que ainda não há fórmulas específicas contra as variantes?

Atualizar a vacina contra uma variante específica do SARS-CoV-2 (o vírus por trás da covid-19) não é tão simples quanto parece. Especialistas comentam que o vírus muda rapidamente, e cada uma dessas variantes existe por alguns meses e depois é substituída por uma nova. É uma corrida em que estamos continuamente atrasados.

Frente a isso, a FDA (Food and Drug Administration, órgão de saúde dos EUA) conduziu um comitê em 28 de junho, em que especialistas da área da saúde alertaram que as doses contra covid-19 ajudaram a restaurar alguma proteção contra doenças graves, mas a eficácia mostrou diminuir após um tempo.

Esse comitê recomendou que os fabricantes de vacinas atualizassem as doses de reforço da covid-19 para se adaptar às subvariantes da Ômicron, BA.4 e BA.5, que têm dominado os EUA e crescido no Brasil. A recomendação vem com base em evidências de que essas subvariantes geraram uma nova onda de hospitalizações.

Vacinas contra variantes da covid-19 não são tão simples de desenvolver, conforme comentam especialistas (Imagem: nearxiii/Freepik)
Vacinas contra variantes da covid-19 não são tão simples de desenvolver, conforme comentam especialistas (Imagem: nearxiii/Freepik)

A Moderna e a Pfizer, que trabalham com vacinas de mRNA contra a covid-19 (que ensinam a célula da pessoa a produzir proteínas, e com isso gera uma reação de anticorpos contra a espícula do coronavírus), passaram a desenvolver reforços específicos destinados a combater as subvariantes BA.4 e BA.5. Há uma longa jornada pela frente, no entanto, até que esses imunizantes estejam disponíveis.

Em paralelo, laboratórios em todo o mundo também estão tentando desenvolver uma vacina universal contra o coronavírus, que possa proteger contra as novas variantes do SARS-CoV-2 que surgirem.

De qualquer forma, a ciência ainda não consegue afirmar com convicção se precisaremos de uma vacina contra as variantes toda vez que uma nova surgir. Pode ser que um reforço contra a Ômicron seja suficiente para oferecer proteção contra variantes que surgem em um futuro próximo, mas os cientistas ainda não são capazes de se antecipar a esse vírus. A situação segue enigmática.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos