Mercado abrirá em 9 h 25 min
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,94
    -1,72 (-2,08%)
     
  • OURO

    1.801,30
    +2,50 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    58.848,21
    -1.741,57 (-2,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.409,97
    -64,36 (-4,37%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.663,94
    +35,20 (+0,14%)
     
  • NIKKEI

    28.888,57
    -209,67 (-0,72%)
     
  • NASDAQ

    15.605,25
    +18,00 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4203
    -0,0044 (-0,07%)
     

Covid-19 pode gerar dois padrões distintos de danos nos pulmões, segundo USP

·1 minuto de leitura

Desde o início da pandemia, especialistas vêm se concentrando no impacto causado pela covid-19 nos pulmões das pessoas. Em um novo estudo, ainda sem revisão por pares, pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) analisaram amostras pulmonares de 47 pessoas que morreram em decorrência de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) causada pela covid-19 e identificaram dois padrões bem distintos de dano.

No estudo, cinco pacientes (10,6%) apresentaram tecido normal do pulmão lesionado pelo vírus substituído por tecido cicatricial (fibrose), o que dificultou a respiração, enquanto dez pacientes (21,2%) apresentaram tecido pulmonar praticamente normal, exceto por sinais de coágulos em pequenos vasos. Um terceiro grupo com 32 pacientes (68,1%) apresentou essas duas condições simultaneamente. As complicações clínicas durante a internação incluíram choque séptico (62%), falência renal aguda (51%) e síndrome do desconforto respiratório agudo (45%).

(imagem: Robina Weermeijer / Unsplash)
(imagem: Robina Weermeijer / Unsplash)

Os autores do artigo relatam que, nos dias que antecederam o óbito, os pacientes do primeiro grupo sofreram um declínio progressivo no índice de oxigenação, perda da capacidade do órgão de expandir e retrair durante a respiração e aumento na produção de colágeno.

Já os pacientes do segundo grupo tiveram uma melhora nos padrões respiratórios nos dias anteriores à morte, bem como alto nível da capacidade do órgão de expandir e retrair durante a respiração durante todo o período de hospitalização. Por outro lado, apresentavam elevação no nível de plaquetas (células sanguíneas envolvidas na formação de coágulos) e na formação de coágulos. O artigo pode ser lido aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos