Mercado fechará em 4 h 44 min
  • BOVESPA

    131.009,39
    +1.568,36 (+1,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.165,27
    -121,19 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,54
    +0,63 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.867,60
    -12,00 (-0,64%)
     
  • BTC-USD

    40.524,89
    +4.546,84 (+12,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.006,74
    +37,90 (+3,91%)
     
  • S&P500

    4.238,98
    -8,46 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.287,02
    -192,58 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.170,68
    +36,62 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.022,75
    +28,50 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1322
    -0,0604 (-0,98%)
     

COVID-19 | Passageiro traz variante da Índia para São Paulo

·1 minuto de leitura

Na última terça (25), especialistas identificaram uma nova variante do coronavírus no interior de SP. Mas na última sexta (22), uma variante da Índia chegou ao estado: a B.1.617.2. Tudo devido a um brasileiro que desembarcou no Aeroporto Internacional de Guarulhos.

A identificação do caso ficou por conta do Instituto Adolfo Lutz, da Secretaria da Saúde de São Paulo. Já a identificação do passageiro ocorreu pelas mãos da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Até então, não há registros de um caso desta linhagem que seja autóctone — ou seja, própria — do estado de São Paulo, conforme anunciou a própria Secretaria Estadual de Saúde.

Para identificar, o Instituto Adolfo Lutz precisou fazer um sequenciamento genético. Mas isso também contou com o trabalho de Vigilância Epidemiológica, que investiga históricos de viagens e contatos. No último dia 14, essa equipe de vigilância notificou os passageiros do voo e os seus municípios de residência referente ao voo que veio da Índia e desembarcou no Brasil. Por falar nisso, o passageiro que trouxe a variante mora em Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro.

(Imagem: HwangMangjoo/Rawpixel)
(Imagem: HwangMangjoo/Rawpixel)

Ainda assim, a Secretaria Estadual de Saúde anuncia que "a detecção de novas variantes não deve ser confundida com diagnóstico, nem pode ser considerada de forma isolada", e aponta essa detecção como um instrumento de vigilância que contribui para o monitoramento da pandemia de COVID-19.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: