Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.485,58
    +607,05 (+0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.979,46
    +304,63 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,51
    +0,23 (+0,51%)
     
  • OURO

    1.844,80
    +14,60 (+0,80%)
     
  • BTC-USD

    19.358,93
    +410,03 (+2,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,32
    +5,91 (+1,58%)
     
  • S&P500

    3.666,74
    -2,27 (-0,06%)
     
  • DOW JONES

    29.970,50
    +86,71 (+0,29%)
     
  • FTSE

    6.490,27
    +26,88 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.472,50
    +18,25 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2661
    -0,0537 (-0,85%)
     

COVID-19 | Infecção reduz rapidamente o nível de anticorpos no organismo

Natalie Rosa
·2 minuto de leitura

Após a infecção por alguma doença, o organismo desenvolve anticorpos que lutam para evitar que o vírus, novamente, afete as células de um indivíduo. Porém, quando o assunto é o coronavírus, ainda existem muitas dúvidas a serem solucionadas.

De acordo com pesquisadores do Imperial College, em Londres, o número de pessoas que apresentaram resultado positivo para anticorpos reduziu em 26% entre os meses de julho e setembro, e isso significa que a imunidade está diminuindo e que existe o risco de uma mesma pessoa contrair o vírus várias vezes. O estudo foi realizado no Reino Unido, onde o número de mortes pela COVID-19 aumentaram em 60% na semana de 16 de outubro.

<em>Imagem: Reprodução/outsideclick/Pixabay </em>
Imagem: Reprodução/outsideclick/Pixabay

Mais de 350 mil pessoas fizeram o teste de anticorpos na Inglaterra como parte de um estudo chamado REACT-2. Na primeira rodada de testes, que aconteceu entre o fim de junho e começo de julho, cerca de 60 pessoas a cada mil contavam com anticorpos detectáveis, enquanto na última rodada, feita em setembro, somente 44 de mil tiveram resultado positivo. Sendo assim, a quantidade de pessoas com anticorpos foi reduzida em mais de um quarto em três meses.

O estudo mostra ainda que a queda foi maior em pessoas com mais de 65 anos e em pessoas que foram assintomáticas. Já o número de indivíduos que trabalham na área da saúde e que tiveram os anticorpos testados foi relativamente maior, o que pode ter acontecido devido à exposição frequente ao coronavírus.

Apesar do resultado da pesquisa, ainda é incerto o que essa queda de anticorpos significa para o sistema imunológico, mas os pesquisadores alertam que a existência deles no organismo tende a ser um bom sinal de quem está protegido ou não. A esperança é que a segunda infecção, caso ocorra, seja mais amena que a primeira, uma vez que o corpo deve contar com uma memória imunológica, sabendo como lutar contra o vírus.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: