Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.890,57
    +411,43 (+1,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Covid-19: governo assinará acordo para produção nacional de insumo

·2 minuto de leitura
Covid-19: governo assinará acordo para produção nacional de insumo
Covid-19: governo assinará acordo para produção nacional de insumo

Nesta quarta-feira (26), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que o governo federal assinará na próxima semana um contrato de Encomenda Tecnológica com a farmacêutica inglesa AstraZeneca. O acordo possibilitará que o ingrediente farmacêutico ativo (IFA), material necessário para produção da vacina contra a Covid-19, seja fabricado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) nacionalmente.

A assinatura do contrato deve ocorrer no dia 1° de junho em solenidade que contará com a presença do presidente Jair Bolsonaro. “Com as articulações realizadas pelo Ministério da Saúde será possível, com o empenho de todos, vacinar a população brasileira acima de 18 anos até o final de 2021. Essa é a nossa esperança, esse é o nosso compromisso”, informou o ministro durante audiência conjunta das comissões de Fiscalização Financeira e Controle e de Defesa do Consumidor da Câmara dos Deputados.

Além disso, ele ressaltou que o país tem contratadas, até 2022, cerca de 600 milhões de doses de vacinas. Até agora, foram distribuídas pouco mais de 90 milhões de doses aos estados e municípios.

Sobre a quantidade de vacinas para o mês de junho, a assessoria do Ministério da Saúde relatou que devem ser entregues 41,9 milhões de doses, 12 milhões a menos do que a previsão inicial. Portando, serão:

  • 20,9 milhões de doses da AstraZeneca;

  • 12 milhões da Pfizer;

  • 4 milhões do imunizante da AstraZeneca obtidos via consórcio Covax Facility;

  • 5 milhões de doses da CoronaVac.

De acordo com Queiroga, a redução na previsão ocorreu em razão da falta de insumos: “Estamos tentando ainda antecipar dois lotes de IFA da AstraZeneca, previstos para o dia 20 de junho. Se conseguirmos, acredito que vamos voltar para o número inicialmente previsto de doses para junho.”

Leia mais:

Vacina Covid-19 e testes

Ademais, Queiroga disse que o ministério vai começar a adotar uma estratégia de ampliação do número de testes aplicados na população. A pasta lança amanhã (27) um programa nacional de testagem em massa objetivando chegar a 20 milhões de brasileiros mensalmente.

É uma forma de rastrear uma possível transmissão comunitária da variante indiana do coronavírus. Segundo Queiroga, os testes devem ser aplicados em pessoas sintomáticas nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e também as que apresentem sintomas iniciais.

“Vamos lançar amanhã uma grande campanha de testagem porque hoje é possível, graças ao avanço da tecnologia, ter testes de antígenos rápidos que, em 15 minutos, nos dão o resultado de positividade ou não. Quem testar positivo já vai logo para o isolamento”, finalizou.

Fonte: Agência Brasil

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!