Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -908,97 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,83
    -0,72 (-0,84%)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    36.308,68
    -2.564,28 (-6,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

Covid-19: Exame de sangue ajuda a prever risco de morte pela doença

·2 min de leitura

Apesar dos avanços no manejo da Covid-19 desde o início da pandemia, os médicos ainda têm dificuldade em identificar os pacientes com maior risco de morte pela doença e, dessa forma, oferecer-lhes melhores tratamentos. Um novo estudo pode ajudar a mudar esse cenário. Pesquisadores da Universidade de Montreal, no Canadá, encontraram um biomarcador sanguíneo que indica, de forma confiável, quais pacientes poderão morrer em decorrência da doença.

Publicado na revista Science Advances, o estudo mostra que medir a quantidade de material genético (RNA) do Sars-CoV-2 no sangue é uma forma segura e rápida de identificar pacientes em alto risco de morte e assim tentar mudar o curso da doença. A equipe chegou a essa conclusão após analisar amostras de sangue de 279 pacientes internados com diferentes graus de gravidade da Covid-19. Os pesquisadores procuraram por diferentes proteínas inflamatórias, além da quantidade de RNA viral e níveis de anticorpos contra o vírus. As amostras foram coletadas 11 dias após o início dos sintomas e os pacientes foram monitorados por um período mínimo de 60 dias.

Os resultados mostraram que dentre todos os biomarcadores avaliados, a quantidade de RNA viral no sangue foi o único diretamente associado à mortalidade e forneceu a melhor resposta preditiva. "Descobrimos que a inclusão de biomarcadores adicionais não melhorou a qualidade preditiva", disse Elsa Brunet-Ratnasingham, co-autora do estudo, em comunicado.

Para confirmar a eficácia da descoberta na prática, os pesquisadores testaram o modelo em dois grupos independentes de pacientes infectados, internados em dois hospitais no Canadá. Em todos os casos, o modelo preditivo funcionou, independente do hospital no qual os pacientes foram tratados e o período da pandemia.

A descoberta pode ajudar a mudar o desfecho da doença nestes pacientes, à medida que os médicos podem identificar precocemente as pessoas com maior risco e oferecer-lhes novos tratamentos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos