Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.114,16
    -2.601,84 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.808,56
    -587,38 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,56
    -0,15 (-0,20%)
     
  • OURO

    1.633,60
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    19.129,80
    +324,00 (+1,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    438,96
    +5,86 (+1,35%)
     
  • S&P500

    3.655,04
    -38,19 (-1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.260,81
    -329,60 (-1,11%)
     
  • FTSE

    7.020,95
    +2,35 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.331,25
    +15,00 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1666
    +0,0690 (+1,35%)
     

Covid-19: estudos voltam a apontar mercado de Wuhan como epicentro da doença

Novos estudos voltam a apontar que o mercado de frutos do mar e animais da cidade de Huanan, na província de Wuhan, na China, foi o epicentro da pandemia de covid-19 pela qual passamos nos últimos anos. Duas pesquisas revisadas por pares revisaram dados acerca do primeiro surto, que aconteceu na mesma cidade.

Enquanto um dos estudos procurou identificar a origem dos primeiros casos confirmados de infecção pelo vírus SARS-CoV-2, o outro analisou dados genéticos do patógeno para montar uma cronologia da epidemia e subsequente pandemia. Tudo aponta para o surgimento de duas variantes em humanos entre novembro e início de dezembro de 2019.

Estudos recentes apontam origem do coronavírus no mercado de Wuhan, e também solucionam mistérios acerca das primeiras infecções comunitárias (Imagem: Pressmaster/Envato Elements)
Estudos recentes apontam origem do coronavírus no mercado de Wuhan, e também solucionam mistérios acerca das primeiras infecções comunitárias (Imagem: Pressmaster/Envato Elements)

Evidências da covid-19 em Wuhan

Evidências estudadas pelos cientistas mostram a presença do patógeno em mamíferos vivos vendidos no mercado de Huanan no final de 2019, que acabou infectando trabalhadores e compradores em duas ocasiões diferentes. O incidente é chamado de infecção por transbordamento, quando o vírus passa de animal para humano.

A confusão anterior vinha do fato de que, de centenas de hospitalizados em Wuhan em decorrência da infecção por covid-19, apenas 50 pacientes tinham uma ligação direta e rastreável com o mercado em questão. Agora, sabendo mais sobre os vírus, a conclusão é que pacientes que ficaram apenas levemente doentes e não foram ao hospital tenham transmitido o patógeno para outras pessoas.

O achado é apoiado por um mapeamento dos primeiros casos, que mostra uma porcentagem grande de infectados que moravam perto do mercado, mesmo sem ter conexão conhecida com o local (ou seja, não compravam ou trabalhavam por lá). Foram as primeiras transmissões comunitárias. Huanan tem mais de 7.770 km², deixando uma probabilidade de infecção maior em torno do mercado.

Alguns dos mamíferos vendidos vivos no mercado de Wuhan, como cães-guaxinim e raposas, são suscetíveis ao vírus da covid-19 e provavelmente os passaram para os humanos (Imagem: Karen/Unsplash)
Alguns dos mamíferos vendidos vivos no mercado de Wuhan, como cães-guaxinim e raposas, são suscetíveis ao vírus da covid-19 e provavelmente os passaram para os humanos (Imagem: Karen/Unsplash)

Também foi criado um mapeamento das amostras de fluido dos ralos e barracas do mercado, que testaram positivo para o SARS-CoV-2. A maioria delas veio do sudoeste do mercado, que vendia espécies como cães-guaxinim, vulneráveis ao vírus, à época. Outro estudo mostrou que quase 50 mil animais de 38 espécies diferentes foram vendidos nos 18 meses antecedentes à pandemia, facilitando o transbordamento do patógeno.

Origem não é de laboratório

Os cientistas responsáveis esperam que os resultados ajudem a desmistificar o início da pandemia, já que muitas pessoas parecem acreditar que o vírus causador da covid-19, o SARS-CoV-2, teria sido criado em laboratório e espalhado acidental ou intencionalmente pelo mundo.

Especialistas apontam que a culpa foi de práticas insalubres e anti-higiênicas no mercado de Wuhan, que já haviam sido reportadas às autoridades locais. As evidências de infecção por transbordamento dão garantias muito grandes de que o acontecimento foi o culpado pelo início das infecções. Para os pesquisadores, o mais importante é focar nesse fato para impedir ocorrências semelhantes e não dar atenção ao problema errado.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: