Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.591,41
    -172,59 (-0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.435,45
    +140,65 (+0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    112,27
    +0,51 (+0,46%)
     
  • OURO

    1.819,90
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    20.314,42
    -514,85 (-2,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    439,95
    -10,11 (-2,25%)
     
  • S&P500

    3.821,55
    -78,56 (-2,01%)
     
  • DOW JONES

    30.946,99
    -491,31 (-1,56%)
     
  • FTSE

    7.323,41
    +65,09 (+0,90%)
     
  • HANG SENG

    22.418,97
    +189,47 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    26.813,74
    -235,73 (-0,87%)
     
  • NASDAQ

    11.692,25
    +18,00 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5436
    -0,0005 (-0,01%)
     

Covid-19: em uma possível nova onda, quem está mais vulnerável?

Já faz um tempo que especialistas temem nova onda de covid-19, preocupação que intensifica a necessidade de se reforçar as medidas de segurança. Mas se é esse o caso, que parte da população está mais vulnerável? Nesta sexta (17), a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou uma atualização dizendo que os mais frágeis diante do contexo pandêmico "continuam sendo idosos, indivíduos com comorbidades e condições imunocomprometidas".

Anteriormente, o professor Esper Kallás, do Departamento de Moléstias Infecciosas e Parasitárias da Faculdade de Medicina da USP, apontou que dados de diversos países sugerem que a pandemia ainda não acabou, e que uma nova onda de casos é possível mesmo levando em consideração o avanço da vacinação contra a covid-19, capaz de conter a maioria das mortes e quadros graves.

Na ocasião, o docente observou que o vírus se multiplicou de maneira muito rápida ao redor do planeta e isso acabou favorecendo sua capacidade de modificação genética, resultando em novas variantes.

Em artigo publicado pelo The Guardian, a pesquisadora Devi Sridhar, da University of Edinburgh, afirma que as sublinhagens da variante Ômicron, BA.4 e BA.5 são responsáveis pelo início de uma nova onda de casos em diversas partes do mundo, como EUA e Reino Unido. Apesar de não serem mais graves, podem reinfectar as pessoas, mesmo quem já foi infectado pela Ômicron anteriormente.

"Mais uma evidência de que alcançar a imunidade de rebanho, onde pessoas suficientes são vacinadas ou infectadas para interromper a circulação da covid-19, é praticamente impossível", sugere a especialista. De qualquer forma, novas pesquisas publicadas na Nature indicam que a Ômicron é realmente mais branda que a Delta, em termos de hospitalizações e mortes.

População vulnerável à covid-19

Especialistas temem nova onda de covid-19 (Imagem: IciakPhotos/envato)
Especialistas temem nova onda de covid-19 (Imagem: IciakPhotos/envato)

O mais recente Boletim InfoGripe Fiocruz sinalizou continuidade da tendência de aumento dos casos de covid-19 em todas as regiões do país, e cerca de 48% das ocorrências de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) registradas nas últimas quatro semanas em função da covid.

Nesse novo contexto, idosos, imunossuprimidos e crianças não vacinadas estão sujeitos não apenas à covid-19, mas também outras doenças respiratórias. Segundo o relatório, a predominância do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) continua em crianças de zero a quatro anos, seguido dos casos de rinovírus, Sars-CoV-2 e metapneumovírus. Nas demais faixas etárias, o Sars-CoV-2 é predominante entre os casos com identificação laboratorial.

Enquanto isso, a OMS atualizou suas diretrizes sobre decisões relacionadas à vacina contra a covid-19 e afirmou: "Aqueles com maior risco de doença grave, hospitalização e morte continuam sendo idosos, indivíduos com comorbidades e condições imunocomprometidas e outras populações vulneráveis, conforme descrito no Roteiro de Priorização da OMS."

A instituição aproveitou para afirmar que as vacinas atuais continuam a ter um bom desempenho na prevenção de doenças graves e morte devido à variante Ômicron, particularmente com dose de reforço. "No entanto, a proteção contra infecções e doenças sintomáticas devido à Ômicron é menor do que outras variantes e diminui rapidamente, mesmo após uma terceira dose".

Nova onda de covid-19: o que fazer?

Em resposta à possível nova onda de covid-19, os especialistas reiteram a necessidade das medidas de segurança já conhecidas pela população, como o uso de máscara, a higienização frequente das mãos, a fuga das aglomerações e, o mais importante, a vacinação contra a doença. Felizmente, no Brasil, já estamos a caminho da quarta dose, que tem sido administrada no público idoso, e passará a ser distribuída para os maiores de 40 anos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos