Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,37
    +0,47 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.833,60
    +2,30 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    58.009,77
    -695,74 (-1,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,29 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,85 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,42 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.736,50
    +26,75 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

COVID-19 | Em colapso, Índia registra novo recorde de infectados em um dia

Natalie Rosa
·2 minuto de leitura

Na quinta-feira (19), a Índia registrou um novo recorde de contaminações diárias pela COVID-19: 379.257 em apenas um dia e 3.645 novas mortes, o maior número diário até então desde o início da pandemia. Os dados foram revelados pelo Ministério da Saúde do país, mas os médicos acreditam que os números reais podem ser de cinco a 10 vezes maiores que os oficiais. O recorde já é o sétimo seguido em apenas oito dias.

A Índia conta com a segunda maior população do mundo, o que acabou favorecendo para o descontrole em que o país se encontra. Diariamente, além de os necrotérios estarem sobrecarregados de trabalho, os hospitais estão lotados e com falta de camas e oxigênio para manter os pacientes vivos.

De acordo com uma repórter do Al Jazeera, Elizabeth Puranam, o governo da capital da Índia, Nova Delhi, espera ter 1.200 leitos extras de terapia intensiva até o dia 10 de maio. No entanto, a quantidade representa apenas 5% do total de contaminações diárias registradas. Além disso, cerca de 15% das pessoas infectadas precisam de hospitalização urgente.

<em>Imagem: Reprodução/IciakPhotos/Envato Elements</em>
Imagem: Reprodução/IciakPhotos/Envato Elements

"O governo central forneceu à Delhi 500 leitos em um de seus hospitais de defesa. Todos foram preenchidos em apenas três horas", diz Purunam. Recentemente, os militares da Índia deram início ao transporte de suprimentos essenciais para o tratamento dos infectados, como oxigênio, e já planejam abrir as suas instalações para receber os doentes.

Ajuda externa

A situação da Índia é tão grave que o país está contando com o auxílio de cerca de 40 países, como a Rússia, que enviou dois aviões para a capital carregando 20 concentradores de oxigênio, 75 respiradores, 150 monitores de leito e 22 toneladas de medicamentos.

Enquanto isso, a Alemanha se prepara para enviar mais suprimentos ao país neste sábado (1º), e Bangladesh prometeu enviar medicamentos de emergência, entre 10 mil antivirais injetáveis e orais, além de 30 mil equipamentos de proteção individual. Taiwan também prometeu enviar 150 concentradores de oxigênio neste fim de semana, e a Casa Branca está enviando mais de US$ 100 mil em suprimentos.

Até o momento, apenas 9% da população indiana foi vacinada, desde o início da campanha em janeiro. O país já acumula 18.376.524 casos de COVID-19 e 204.832 mortes desde o início da pandemia, ficando atrás apenas dos Estados Unidos e na frente do Brasil.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: