Mercado abrirá em 4 h 48 min
  • BOVESPA

    128.057,22
    -1.202,27 (-0,93%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.202,80
    -376,30 (-0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,74
    -0,30 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.795,00
    +20,20 (+1,14%)
     
  • BTC-USD

    37.862,10
    -1.313,26 (-3,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    941,47
    -28,40 (-2,93%)
     
  • S&P500

    4.221,86
    -1,84 (-0,04%)
     
  • DOW JONES

    33.823,45
    -210,22 (-0,62%)
     
  • FTSE

    7.123,42
    -30,01 (-0,42%)
     
  • HANG SENG

    28.755,51
    +196,92 (+0,69%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.192,25
    +26,75 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9754
    +0,0129 (+0,22%)
     

COVID-19 | Confira as vacinas já em uso no Brasil e quais aguardam aprovação

·3 minuto de leitura

A vacinação contra a COVID-19 teve início no começo deste ano, trazendo um pouco de esperança aos brasileiros para o fim da pandemia. Ainda estamos longe de chegar à imunidade necessária para ficarmos perto dessa conquista, mas pessoas que fazem parte do grupo de risco da doença já estão conseguindo garantir a sua imunização, graças às tecnologias que permitiram aos cientistas desenvolver essas vacinas de forma rápida.

Desde o início da pandemia, pesquisadores do mundo inteiro vêm buscando soluções de imunização e tratamento contra a doença provocada pelo coronavírus, e alguns dos imunizantes já estão liberados para uso, seja de forma oficial ou em caráter de emergência. Nem todas as vacinas, no entanto, já foram disponibilizadas aos brasileiros. Confira abaixo quais se encaixam em cada categoria:

Imagem: Reprodução/erika8213/envato
Imagem: Reprodução/erika8213/envato

Vacinas com registros definitivos no Brasil

AstraZeneca/Oxford (Fiocruz) - duas doses

Conhecida como Covishield ou AZD1222, a vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford com a farmacêutica AstraZeneca funciona utilizando um adenovírus, ou seja, um vírus inativado. Dentro do organismo, esse material é responsável pela produção da proteína que vai gerar a resposta imune do paciente. Após a aplicação da primeira dose, a pessoa precisa retornar para receber a segunda, entre 14 e 21 dias depois.


Pfizer (BioNTech) - duas doses

A vacina desenvolvida pela farmacêutica Pfizer, dos Estados Unidos, em parceria com a BioNTech, da Alemanha, chegou ao Brasil em abril para se tornar o terceiro imunizante a ser aplicado nos brasileiros, logo depois da CoronaVac, que está em uso emergencial, e da Covishield. Assim como a vacina da AstraZeneca, ela funciona em duas doses que são aplicadas em um intervalo mais longo, sendo três meses entre uma e outra. Funciona com RNA mensageiro, que no organismo ajuda a induzir a resposta imune.

Vacinas aprovadas para uso emergencial

Janssen (Johnson & Johnson) - dose única

Ao contrário das vacinas da Pfizer, AstraZeneca e CoronaVac, o imunizante da Janssen exige apenas uma dose. A vacina funciona usando um vírus de resfriado comum sintetizado em laboratório. Quando entra em nosso organismo, executa a tarefa de transportar o código genético do coronavírus para que o organismo crie anticorpos e combata o SARS-CoV-2 seja combatido assim que uma ameaça real for identificada.

CoronaVac (Instituto Butantan) - Duas doses

A CoronaVac, desenvolvida pela farmacêutica Sinovac Biotech, da China, com o Instituto Butantan, também exige a aplicação de duas doses para uma imunização satisfatória. A vacina atua no organismo estimulando a produção de anticorpos que se conectam à proteína spike do coronavírus, responsável por facilitar a sua entrada nas células e provocar a doença.

Vacinas em análise pela Anvisa

Covaxin (Bharat Biotech) - duas doses

A vacina indiana Covaxin, desenvolvida pela Bharat Biotech, também precisa ser aplicada em duas doses e também atua usando o coronavírus inativado. De acordo com a informação mais recente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), a Covaxin pode ser importada e aplicada, mas inicialmente sob caráter experimental, entre outras restrições, o que não significa uma autorização de emergência.

Sputnik-V (União Química) - duas doses

A vacina Sputnik V, desenvolvida na Rússia, funciona com a mesma tecnologia dos imunizantes da Astrazeneca/Oxford e Janssen, e exige a aplicação de duas doses em um período de três meses. Em relação à liberação da Sputnik, a Anvisa autorizou o uso da vacina a somente 1% da população e apenas nos estados da Bahia, Ceará, Maranhão, Pernambuco, Piauí e Sergipe. Serão analisados os resultados da imunização para, então, verificar as próximas etapas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos