Mercado fechará em 5 h 16 min
  • BOVESPA

    109.943,59
    +542,19 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.799,46
    -434,91 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,89
    -1,04 (-1,35%)
     
  • OURO

    1.792,70
    +11,40 (+0,64%)
     
  • BTC-USD

    17.019,65
    -257,71 (-1,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    401,52
    -9,70 (-2,36%)
     
  • S&P500

    3.998,84
    -72,86 (-1,79%)
     
  • DOW JONES

    33.947,10
    -482,78 (-1,40%)
     
  • FTSE

    7.539,82
    -27,72 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    19.441,18
    -77,11 (-0,40%)
     
  • NIKKEI

    27.885,87
    +65,47 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    11.828,75
    +23,00 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5200
    -0,0134 (-0,24%)
     

Covid-19 causa a mesma inflamação no cérebro que Parkinson e Alzheimer

Pesquisadores da Universidade de Queensland, na Austrália, descobriram que o vírus causador da covid-19 ativa o mesmo processo inflamatório no cérebro que doenças relacionadas à demência, como Parkinson, Alzheimer e outras. Isso representa um potencial de risco maior para a ocorrência de desordens neurodegenerativas em pessoas que tiveram covid-19, mas também pode ajudar a encontrar tratamentos possíveis no futuro.

A resposta inflamatória causada pela covid-19 no cérebro é a mesma causada por Parkinson e Alzheimer (Imagem: Twenty20photos/Envato Elements)
A resposta inflamatória causada pela covid-19 no cérebro é a mesma causada por Parkinson e Alzheimer (Imagem: Twenty20photos/Envato Elements)

Impacto da covid-19 no cérebro

Para chegar à descoberta, os cientistas estudaram o impacto do SARS-CoV-2 nas células imunes do cérebro: mais especificamente, nas micróglias, envolvidas na progressão de condições relacionadas à demência. Elas foram cultivadas em laboratório e infectadas com o patógeno, ficando "irritadas" — basicamente, foram ativados os mesmos caminhos que as proteínas do Parkinson e do Alzheimer o fazem quando afetam os pacientes. Essas proteínas são os inflamassomas.

Essas ativações proteicas levam à morte de células neuronais do cérebro, de maneira crônica e prolongada, podendo gerar sintomas neurológicos. É um assassino silencioso, dizem os cientistas, já que não podem ser vistos quaisquer sintomas por muitos anos. Isso pode explicar a vulnerabilidade a sintomas neurológicos que alguns pacientes de covid-19 experimentaram, similares aos causados pelo Mal de Parkinson.

O que chamamos, atualmente, de covid longa, envolve um aspecto neurológico da doença, que gera a névoa mental, dificuldades no olfato e paladar, problemas de humor e de sono e fadiga persistente, presente muito após a infecção pelo vírus. A interação do SARS-CoV-2 com a micróglia pode ativar a resposta dos inflamassomas NLRP3, no cérebro: alguém pré-disposto a ter doenças degenerativas acaba tendo mais lenha jogada na fogueira, basicamente.

Em testes laboratoriais, os cientistas conseguiram suprimir a resposta inflamatória com remédios, o que abre possibilidade para novas formas de tratamento das doenças neurodegenerativas (Imagem: iLexx/Envato Elements)
Em testes laboratoriais, os cientistas conseguiram suprimir a resposta inflamatória com remédios, o que abre possibilidade para novas formas de tratamento das doenças neurodegenerativas (Imagem: iLexx/Envato Elements)

Tratamentos potenciais

Os cientistas ainda testaram a atuação de drogas inibidoras de resposta inflamatória no cérebro, para descobrir se podiam parar os efeitos causados pela covid-19 no órgão. Tanto em ratos infectados quanto em micróglia humana cultivada em laboratório, os medicamentos foram bem-sucedidos, o que dá margem para novas abordagens em prevenção neurodegenerativa no futuro.

Além das possibilidades de mitigar o efeito do vírus no cérebro, a descoberta pode ajudar no tratamento de doenças relacionadas à demência e seus efeitos cerebrais da mesma forma: apesar das preocupações geradas ao descobrir que as condições causam o mesmo efeito neurodegenerativo, há esperança de que esse novo caminho possibilite, com pesquisas mais profundas, um tratamento eficiente e preventivo para ambas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: