Mercado abrirá em 1 h 57 min
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,90
    -0,25 (-0,40%)
     
  • OURO

    1.747,40
    +11,10 (+0,64%)
     
  • BTC-USD

    62.332,48
    -1.298,46 (-2,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.362,26
    -13,52 (-0,98%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.971,79
    +32,21 (+0,46%)
     
  • HANG SENG

    28.793,14
    -107,69 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    29.642,69
    +21,70 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    13.888,25
    +89,50 (+0,65%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7642
    -0,0087 (-0,13%)
     

Covid-19: Brasil registra 1.290 mortes nas últimas 24 horas

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
People clean-up the Favela Dona Marta to prevent the spread of coronavirus, in Rio de Janeiro, Brazil, on March 21, 2021. (Photo by Fabio Teixeira/NurPhoto via Getty Images)
Brasil registra 1.290 mortes nas últimas 24 horas (Photo by Fabio Teixeira/NurPhoto via Getty Images)

O Brasil registrou 1.290 novas mortes pelo novo coronavírus e 47.774 casos da doença neste sábado (20). Com isso, o total de mortos chegou a 294.042 e o de casos a 11.998.233, de acordo com o painel atualizado pelo Conass (Conselho Nacional dos Secretários de Saúde), um sistema próprio de informações que reúne dados de contaminados e de óbitos em contagem paralela à do governo.

O número caiu pela metade desde a última atualização do conselho, que chegou a 2.438. No sábado (20), o país tinha 292.752 mortes e 11.950.459 casos confirmados de Covid-19, de acordo com o conselho.

Prezando pela confiabilidade nas informações, o Yahoo Brasil passou a adotar como padrão, desde 8 de junho, os dados estatísticos divulgados pelas secretarias estaduais de Saúde através do Conass, e não mais os números apresentados pelo Ministério da Saúde.

Os dados do Conass também viraram referência para o Congresso Nacional, que abandonou a contagem do Ministério da Saúde. A decisão foi anunciada pelo então presidente do Senado, Davi Alcolumbre, no início de junho de 2020.