Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.788,49
    +1.236,05 (+1,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.567,09
    -102,16 (-0,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,66
    +0,63 (+1,57%)
     
  • OURO

    1.906,60
    -22,90 (-1,19%)
     
  • BTC-USD

    13.050,76
    +1.993,75 (+18,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    263,18
    +7,08 (+2,77%)
     
  • S&P500

    3.448,12
    +12,56 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    28.335,95
    +125,13 (+0,44%)
     
  • FTSE

    5.785,65
    +9,15 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -92,73 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    11.645,25
    -46,00 (-0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6184
    -0,0316 (-0,48%)
     

COVID-19 | AstraZeneca impõe restrições sobre a venda da futura vacina no Brasil

Nathan Vieira
·2 minutos de leitura

Não é segredo que inúmeras empresas do mundo inteiro estão dando tudo de si para produzir uma vacina contra a COVID-19, e o Brasil já está definindo suas parcerias. Na última quarta-feira (7), o site do jornal Financial Times revelou detalhes em torno do acordo do governo brasileiro com a empresa britânica AstraZeneca, (que está desenvolvendo uma vacina candidata com a Universidade de Oxford), com direito a restrições estabelecidas acerca da venda dessa vacina no país.

As condições envolveram manter a patente sobre o produto, o abastecimento de 100 milhões de doses da vacina, com custo de US$ 300 milhões (o equivalente a R$ 1,6 bilhões), e caso a vacina britânica não apresente resultado, não há reembolso do pagamento. Além disso, a produção da vacina pela Fiocruz será somente distribuída ao mercado brasileiro, restringindo que o Brasil exporte a outros países. A AstraZeneca também manterá toda propriedade intelectual da vacina, com possibilidade de novo acordo quanto à cobrança de royalties.

O diretor-executivo do grupo farmacêutico AstraZeneca, Jorge Mazzei, anunciou que não terá lucro com a distribuição de vacinas contra a COVID-19. A empresa farmacêutica disse que forneceria doses com base no custo pelo menos enquanto durar a pandemia. No entanto, o memorando define o fim desse período de pandemia em 1 de julho de 2021.

O período poderia ser prorrogado, mas somente se AstraZeneca considerar que a pandemia de SARS-COV-2 não acabou. Pascal Soriot, presidente-executivo da AstraZeneca, declarou anteriormente que uma série de fatores influenciaria a avaliação da empresa de quando a pandemia acabasse, incluindo a própria análise da Organização Mundial da Saúde, mas não foi mais específico. Ele também se recusou a divulgar um ponto de preço pós-pandemia.

AstraZeneca impõe restrições sobre a venda da futura vacina no Brasil (Imagem: Cottonbro/Pexels)
AstraZeneca impõe restrições sobre a venda da futura vacina no Brasil (Imagem: Cottonbro/Pexels)

O custo futuro de qualquer vacina aprovada é uma questão controversa depois que grupos farmacêuticos, incluindo a AstraZeneca, receberam centenas de milhões de dólares em dinheiro público para acelerar o desenvolvimento. “Desde o início, a abordagem da AstraZeneca tem sido tratar o desenvolvimento da vacina como uma resposta a uma emergência global de saúde pública, não uma oportunidade comercial”, disse a empresa em um comunicado. “Continuamos a operar com esse espírito público e buscaremos orientação especializada, inclusive de organizações globais, sobre quando podemos dizer que a pandemia já passou".

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: