Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.167,60
    -624,67 (-1,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus voltam a avançar no Brasil puxados por 9 Estados

·4 minuto de leitura
Profissionais da saúde carregam paciente em maca para dentro de um hospital
Para cientistas, a suspensão das restrições mais rígidas pode ter colaborado para reversão de queda no total diário de infectados
  • Número de casos diários de Covid-19 atingiu maior patamar nas últimas três semanas

  • País tem alta subnotificação, portanto, realidade é pior do que os números oficiais apontam

  • Flexibilização de regras de distanciamento, a circulação maior das pessoas e variantes mais transmissíveis levam ao avanço da doença

O número de novos casos de covid-19 atingiu um pico de 77 mil notificações diárias em 27 de março, um recorde na pandemia, e depois passou a cair ao longo de abril. Mas as infecções voltaram a subir em maio, e em 10/05 atingiram o maior patamar em três semanas.  

É importante deixar claro que há uma enorme subnotificação desses dados, mas ela tem se mantido mais ou menos constante. Ou seja, a realidade é pior do que os números oficiais apontam, porque muita gente infectada não fez teste de covid-19, mas, segundo estimativas, essa diferença entre dados e realidade foi praticamente a mesma em março, abril ou maio.

Leia também

Para especialistas, os fatores ligados tanto à queda de casos quanto ao novo aumento são conhecidos desde o início da pandemia em quase todos os países do mundo.

Mais recentemente, houve um recuo na média semanal do número de mortes a cada dia, mas espera-se que esse número também volte a subir já que há um descompasso entre os dados de infecção, de internação e de óbitos, porque alguém que venha a morrer por covid-19 costuma perder a vida semanas depois do primeiro dia de sintomas.

Dessa forma, o aumento de contágio percebido hoje levará dias até se refletir no número de mortes.

O pico de óbitos, por exemplo, ocorreu em 12/04, duas semanas depois do auge das infecções, em 27/03. Na terça-feira, 11/05, o Brasil registrou uma média de 1.980 óbitos nos últimos sete dias. A primeira vez, em quase dois meses, que a média móvel de mortes por covid-19 fica abaixo de 2.000.

Recuo

Por um lado, distanciamento social mais rígido e vacinação ampla levam a um recuo de infecções, hospitalizações e mortes. De outro, a flexibilização de regras de distanciamento, a circulação maior das pessoas e variantes mais transmissíveis levam ao avanço da doença.

No caso do Brasil, cientistas apontam que restrições mais rígidas surtiram efeito em março, mas a suspensão delas antes que a transmissão do vírus estivesse de fato controlada levou a essa reversão de tendência em diversas partes do país. Ou seja, os casos podem parar de cair e voltar a subir rapidamente.

Média de casos de covid no Brasil volta a crescer. .  .
Média de casos de covid no Brasil volta a crescer. . .

Segundo dados coletados pelo Google por meio da localização de telefones celulares, desde o fim de março há cada vez mais pessoas no Brasil indo ao comércio e estações de ônibus e metrô, por exemplo.

O número de novas infecções segue na mesma direção.

Os dados oficiais, divulgados pelas secretarias estaduais de Saúde, indicam aumento de casos em nove Estados: Alagoas, Ceará, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo.

Outros 13 se mantêm relativamente estáveis: Acre, Amapá, Bahia, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins.

Por fim, há queda no Distrito Federal e em quatro Estados: Amazonas, Espírito Santo, Goiás e Mato Grosso.

Segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o mapa de tendência de casos aponta hoje para a manutenção do patamar atual em todas as unidades da federação, exceto no Rio de Janeiro, onde há tendência de alta.

Em 07/05, a Fiocruz afirmou em boletim epidemiológico que a "ligeira redução em casos e óbitos por covid-19" nas últimas duas semanas de abril "não significa que tenhamos saído de uma situação crítica".

Para a instituição, "somente a redução sustentada por algumas semanas poderá permitir a melhoria dos vários indicadores de monitoramento da pandemia". Os indicadores a que a Fiocruz se refere incluem a taxa de ocupação dos leitos de unidades de terapia intensiva (UTI) e o número de mortes por covid.

Atualmente, são registradas, em média, 1.980 mortes no país a cada 24 horas. O número vem em queda desde 12/04 e está no menor patamar desde meados de março. Mas, segundo especialistas, pode ser questão de tempo até voltar a subir mais uma vez.

Mortes por coronavírus no Brasil atingem menor nível desde março. .  .
Mortes por coronavírus no Brasil atingem menor nível desde março. . .

O mesmo pode ocorrer com as internações, que voltaram a crescer no Paraná, por exemplo.

Segundo a Fiocruz, "as taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos mantiveram a tendência lenta de queda em quase todo o país entre 26 de abril e 3 de maio".

Mas há apenas sete Estados fora da chamada "zona crítica": Acre, Alagoas, Amazonas, Amapá, Maranhão, Pará, São Paulo e Rio Grande do Sul.

Seria possível evitar novos avanços? Especialistas dizem que sim, por meio diversas medidas conhecidas.

"A aceleração da vacinação, a manutenção do distanciamento físico com pessoas fora da convivência domiciliar, o cuidado com a higiene frequente das mãos e o uso de máscaras adequadas de forma apropriada", resume a Fiocruz.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!