Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.094,22 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,95 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,25
    +0,18 (+0,25%)
     
  • OURO

    1.800,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    35.618,14
    +1.183,71 (+3,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    858,45
    +64,72 (+8,15%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,15 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,82 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    28.007,31
    +459,31 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    15.118,50
    +20,50 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1212
    -0,0004 (-0,01%)
     

Covaxin: entenda como está a análise do uso emergencial da vacina pela Anvisa

·3 minuto de leitura

Na quarta-feira (30), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu o prazo para concluir a análise do pedido de uso emergencial da vacina Covaxin contra o coronavírus SARS-CoV-2, desenvolvida pelo laboratório indiano Bharat Biotech e representada, no Brasil, pela empresa Precisa Medicamentos. A justificativa é de que faltam documentos e relatórios para a análise de segurança e eficácia do imunizante contra a COVID-19.

Em nota, a Anvisa explica que a decisão foi tomada "após verificar que documentos obrigatórios e essenciais para a avaliação da eficácia e da segurança do imunizante foram apresentados apenas parcialmente ou não foram localizados". Dessa forma, a agência concluiu a primeira etapa do pedido de uso emergencial da Covaxin, onde é feita a triagem dos documentos enviados. Esta análise foi iniciada na terça-feira (29).

Processo de análise do uso emergencial da vacina Covaxin está suspenso, na Anvisa, por falta de dados (Imagem: Reprodução/Twenty20photos/Envato)
Processo de análise do uso emergencial da vacina Covaxin está suspenso, na Anvisa, por falta de dados (Imagem: Reprodução/Twenty20photos/Envato)

"Nesta fase, não é analisado o mérito dos documentos e dos dados apresentados, que será avaliado no decorrer da análise técnica, que segue em andamento", esclarece a Anvisa. Isso porque somente com a documentação completa é que se inicia o estudo dos conteúdos apresentados para a validação de eventual imunizante.

O que falta para a Anvisa analisar o pedido da Covaxin?

Para auxiliar no processo, a Anvisa listou os documentos e dados essenciais não localizados sobre os estudos da vacina Covaxin contra a COVID-19. A seguir, veja a lista de algumas das pendências:

  • Informações sobre qualidade e tecnologia farmacêutica, para substância ativa e produto terminado;

  • Relatório de estudos pré-clínicos de segurança e imunogenicidade;

  • Relatório de imunogenicidade contendo os resultados dos parâmetros imunológicos avaliados nos estudos clínicos;

  • Relatórios do(s) estudo(s) clínico(s), que incluam os resultados da análise interina ou final de desfecho primário do(s) estudo(s) clínico(s) de fase 3;

  • Relatórios de validação dos ensaios bioanalíticos utilizados para avaliar os desfechos do estudo clínico de fase 3;

  • Dados de segurança acumulados dos estudos de fase 1 e 2, com foco nos eventos adversos graves, eventos adversos de interesse especial e casos graves de COVID-19, acompanhados das respectivas narrativas detalhadas, e o plano de monitoramento para detecção de eventos adversos tardios, justificando o período proposto;

  • Dados de segurança dos estudos de fase 3 referentes a um seguimento mediano de, pelo menos, dois meses após a última imunização e estabelecimento de um perfil de segurança preliminar para eventos adversos graves e de interesse especial e para exacerbação da doença respiratória;

  • Dados de eficácia e de segurança de análises de subgrupos por status de infecção prévia e por faixas etárias.

Questão burocrática

Com relação a alguns dos itens listados, "a empresa informou que, por se tratar de arquivos com tamanho maior do que o aceito pelo sistema da Anvisa, encaminhou um link para acesso à documentação, mas não enviou as orientações necessárias para acesso à nuvem. A empresa foi orientada a fracionar os arquivos e apresentar os documentos formalmente", comenta a Anvisa. No entanto, não são aceitos documentos encaminhados por links externos, "uma vez que não se pode assegurar a integridade do que foi apresentado no momento da submissão".

Também foram solicitados esclarecimentos e complementação de dados referentes ao Plano de Farmacovigilância e ao texto de bula proposto para a vacina Covaxin. "Diante das pendências relatadas, o prazo para a conclusão da análise da Anvisa encontra-se suspenso até que a empresa apresente as informações necessárias", completa a agência.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos