Mercado fechará em 6 h 49 min
  • BOVESPA

    124.612,03
    0,00 (0,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.910,53
    +12,74 (+0,03%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,08
    +0,43 (+0,60%)
     
  • OURO

    1.797,90
    -1,90 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    39.859,57
    +1.533,75 (+4,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    933,49
    +57,26 (+6,53%)
     
  • S&P500

    4.401,46
    -20,84 (-0,47%)
     
  • DOW JONES

    35.058,52
    -85,79 (-0,24%)
     
  • FTSE

    7.004,04
    +7,96 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.581,66
    -388,56 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    15.005,00
    +57,25 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0929
    -0,0155 (-0,25%)
     

Covax deve entregar 110 milhões de doses de vacinas contra COVID-19 até outubro

·1 minuto de leitura

O Consórcio de distribuição igualitária de vacinas já tem uma estimativa para as próximas entregas: de julho até outubro, chegam 50 milhões da CoronaVac e 60 milhões da vacina da Sinopharm. A distribuição para os países começa já nesta semana.

Basicamente, o Covax é um consórcio, uma iniciativa da Organização Mundial de Saúde (OMS) em parceria com a Gavi. A proposta é uma distribuição mais igualitária de vacinas contra a COVID-19 entre países pobres e ricos. O Brasil já chegou a receber doses das vacinas da AstraZeneca e Pfizer por meio da iniciativa.

Além das vacinas já garantidas até outubro, a Gavi também pode comprar mais 210 milhões de vacinas de outubro a dezembro, sendo 150 milhões da CoronaVac e 60 milhões da Sinopharm. Já no primeiro semestre de 2022, o que se tem na mira: 230 milhões de doses de vacina, sendo 180 milhões da CoronaVac e 50 milhões da Sinopharm.

CoronaVac e Sinopharm

(Imagem: rawf8/envato)
(Imagem: rawf8/envato)

A vacina da Sinopharm é produzida pelo laboratório da empresa em Pequim, e funciona a partir de um vírus inativado para induzir imunidade, aplicada em duas doses. E tal como a vacina da Sinopharm, a CoronaVac é constituída por vírus inativado. É uma metodologia bastante consolidada para outras doenças como a poliomielite e a influenza. O vírus composto na vacina é incapaz de gerar infecção, pois está inativado. Porém, é capaz de gerar resposta imune semelhante à infecção, gerando proteção ao indivíduo quando houver exposição futura ao vírus.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos