Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,04 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.871,40
    +4,90 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    34.894,43
    +494,46 (+1,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    696,42
    -4,19 (-0,60%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    29.962,47
    +320,19 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.523,26
    -110,20 (-0,38%)
     
  • NASDAQ

    13.299,50
    +5,25 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4102
    -0,0884 (-1,36%)
     

Covas pede que eleitor compare quem já fez por SP; Boulos diz querer viver na propaganda do tucano

Sérgio Roxo
·3 minuto de leitura
Editoria de Arte

SÃO PAULO. Os candidatos Bruno Covas (PSDB) e Guilherme Boulos (PSOL) trocam acusações durante entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, na noite desta segunda-feira. O tucano pediu que o eleitor compare quem já fez pela cidade na hora de votar. O psolista, por sua vez, afirmou de forma irônica que gostaria de morar na propaganda do atual prefeito.

Covas e Boulos foram entrevistados pelos mesmos jornalistas de forma alternada. Durante o programa, o candidato do PSDB defendeu o seu vice, Ricardo Nunes. O candidato do PSOL disse que, caso eleito, vai governar com responsabilidade fiscal, mas sem esquecer a responsabilidade social.

Com necessidade de subir nas pesquisas, Boulos fez mais críticas ao atual prefeito ao longo do programa. Covas defendeu a sua gestão e concentrou a maior parte dos ataques ao adversário em suas considerações finais.

— Você poder comparar (programa) quem já fez por São Paulo e quem está preso ao radicalismo ideológico — disse o candidato do PSDB.

O tucano ainda colocou em dúvida a disposição de Boulos, que teve origem político como líder do movimento de luta por moradia, em respeitar leis e decisões judiciais.

— Eu acredito que justiça social se faz com responsabilidade fiscal, não com discurso bonito. Minha cartilha é a cartilha do diálogo, da democracia, do respeito à lei, respeito às decisões judiciais.

Por fim, afirmou que no domingo o eleitor poderá escolher entre "o lado de quem enfrenta os problemas ou o da ilusão".

— O momento requer experiência e pés no chão.

Nas suas considerações finais, Boulos havia afirmado que a sua candidatura representa a mudança e que adversário representa a manutenção de "privilégios".

Antes, o candidato do PSOL havia criticado a forma como o atual prefeito apresenta a cidade que administra em sua propaganda eleitoral.

— Eu gostaria tanto de morar naquela cidade. acho aquela cidade da propaganda do Bruno Covas colorida e maravilhosa, pena que não é a São Paulo real.

Boulos ainda falou que o seu adversário tem "dificuldade" de falar se sua vice, o vereador Ricardo Nunes (MDB). Durante a campanha, foi divulgado que a mulher de Nunes chegou a acusá-lo de violência doméstica e que um grupo ligado ao parlamentar faturava com creches tercerizadas da prefeitura.

— Não há denúncia de agressão contra o Ricardo Nunes — havia afirmado Covas, durante o programa.

Em outro momento, o tucano acrescentou que Nunes "não responde a nenhum processo judicial". Reconheceu, porém, que preferia uma mulher para o posto de vice, mas escolheu o vereador para contemplar um dos partidos que o apoia.

O candidato do PSOL foi questionado se governaria com responsabilidade fiscal e respondeu:

— Sem dúvida. Agora responsabilidade fiscal não pode significar irresponsabildiade social.

Em outro momento, Boulos disse que, caso eleito, pretende exercer um papel de liderança polícia no país. Covas aproveitou a afirmação para atacar o adversário.

— A gente viu aqui candidato dizendo que quer ser prefeito para fazer antagonismo ao governoe estadual e ao governo federal. Está mais preocupado com as eleições estadual e presidencial.

O candidato do PSOL, por sua vez, afirmou que caso eleito acabará com o toma lá da cá em que cargos de comando das subprefeituras são trocados por apoio na Câmara.