Mercado fechado
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,65
    +0,26 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.877,60
    -1,60 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    13.219,06
    +8,14 (+0,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    261,24
    -11,45 (-4,20%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,25 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    -146,19 (-2,55%)
     
  • HANG SENG

    24.290,01
    -418,79 (-1,69%)
     
  • NIKKEI

    23.222,66
    -195,85 (-0,84%)
     
  • NASDAQ

    11.228,25
    +95,50 (+0,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7371
    +0,0027 (+0,04%)
     

Covas diz que aulas em SP só voltam com aval da Vigilância Sanitária

Carolina Freitas
·1 minuto de leitura

"Pode ter pressão pra abrir, pra marcar uma data. Não tem problema. Não temos medo de cara feia", disse o prefeito da capital paulista O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), afirmou nesta terça-feira (29) que só vai autorizar a volta às aulas presenciais na cidade quando a Vigilância Sanitária julgar adequado, considerando o risco de novas contaminações pelo novo coronavírus. Covas, que disputa a reeleição, disse que não vai ceder à pressão para reabrir as escolas ou para marcar uma data para a retomada. "Da mesma forma que temos retomado atividades com parcimônia e tranquilidade, para não ter aumento de casos, estamos fazendo para poder ter uma retomada segura da área da educação aqui na cidade", afirmou o prefeito capital paulista, em palestra promovida pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP). "Somente quando a Vigilância Sanitária entender que é o momento apropriado e que nós estamos num momento de maior contenção da doença aqui é que nós vamos autorizar. Pode ter pressão pra abrir, pra marcar uma data. Não tem problema. Não temos medo de cara feia." Covas disse também que a prefeitura prepara a estrutura das escolas municipais para que, quando as aulas voltarem, sejam seguidas as recomendações de higiene de modo que não haja a proliferação do vírus. "Estamos organizando a volta às aulas na rede municipal para que não devamos nada para a rede privada", afirmou.