Mercado fechará em 1 h 37 min
  • BOVESPA

    113.067,24
    +2.141,64 (+1,93%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.460,49
    +2,94 (+0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,43
    +0,21 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.811,10
    -4,10 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    16.967,15
    +15,63 (+0,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    402,79
    +1,37 (+0,34%)
     
  • S&P500

    4.060,63
    -15,94 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    34.318,67
    -76,34 (-0,22%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.964,00
    -98,75 (-0,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4823
    +0,0169 (+0,31%)
     

Cotado para Economia, Meirelles defende gasto de R$ 50 bi a mais para bancar Auxílio

***ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 27.09.2022: Jantar ex- ministro da Fazenda Henrique Meirelles, falando sobre perspectivas econômicas para 2023, no restaurante Carat, no Jardim Paulista. Na foto, Henrique Meirelles (ex-presidente do Banco Central e ex-ministro da Fazenda). (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
***ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 27.09.2022: Jantar ex- ministro da Fazenda Henrique Meirelles, falando sobre perspectivas econômicas para 2023, no restaurante Carat, no Jardim Paulista. Na foto, Henrique Meirelles (ex-presidente do Banco Central e ex-ministro da Fazenda). (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Cotado para assumir a Economia no governo do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Henrique Meirelles, 77, defende a pacificação do país e gastos extras para pagar o Auxílio Brasil aos mais necessitados no primeiro ano de governo, até que as reformas abram espaço no Orçamento.

Meirelles, que anunciou seu apoio a Lula no primeiro turno em entrevista à Folha, foi presidente do Banco Central durante o governo do petista e ministro da Fazenda na gestão de Michel Temer (MDB).

Ele diz que será preciso gastar R$ 50 bilhões fora do Orçamento para que Lula consiga arcar com o Auxílio Brasil, programa social que será revisto.

*

Pergunta: Qual sua avaliação sobre o resultado da eleição?

Henrique Meirelles: Muito apertado, mas dentro do previsto. Achava que a diferença seria um pouco maior, mas todo mundo sabia que a diferença seria muito pequena.

P.: Mas o que significa a vitória de Lula nesse momento?

HM: É algo extremamente positivo. Vamos agora pacificar o país, procurar reconstruir. Evidente que temos de ver exatamente como é que vai ser a administração da economia. É muito cedo para olhar isso, mas vamos olhar isso mais à frente. O que importa é que esse resultado vai pacificar.

P.: Acredita que haverá terceiro turno?

HM: Vamos ver como vai ser o pós apuração, a reação dos bolsonaristas. Mas a expectativa é que ocorra o que deveria, o respeito ao resultado das urnas, independente da margem.

P.: O senhor será ministro?

HM: Não conversamos sobre isso.

P.: Houve rumores de que o senhor seria ministro por ter flexibilizado sua opinião sobre mais gastos fora do teto. Foi uma sinalização de que terá esse papel no governo?

HM: Não foi uma sinalização. Só disse o que acho. Será preciso mais espaço [no Orçamento] para os programas sociais, com uma excepcionalidade no primeiro ano para dar tempo [ao governo] para aprovar uma reforma, especialmente a administrativa.

Continuo defendendo que se mantenha a responsabilidade e não se abra as portas [para gastos desenfreados]. É necessário fazer a reforma administrativa primeiro para abrir espaço [para despesas sociais] em 2024. O ano de 2023 será de excepcionalidade.

P.: O senhor falou em um número de R$ 400 bilhões a mais. É isso?

HM: Não. Essa foi uma previsão que circulou no mercado. Estamos agora falando de Auxílio Brasil um pouco acima de R$ 50 bilhões [acima do teto].

Como sempre disse, é preciso assumir o governo, pegar as contas e ver de quanto é o déficit. Não adianta falar demais em cima de um número sem saber como estão, de fato, as contas do governo.

P.: Lula precisa anunciar logo o ministro da Fazenda?

HM: Não tem pressa. Ele tem que olhar com calma e fazer o anúncio no momento dele.

P.: O mercado já precificou a vitória de Lula?

HM: É diferente de 2003 [primeira eleição de Lula]. Agora, está ainda um pouco mais calmo porque já houve a experiência do governo Lula.

P.: O senhor vê algum risco de haver mais estragos à Economia nos últimos meses do governo de Jair Bolsonaro?

HM: Teremos de ver a reação do Congresso. Tem muita coisa para ser aprovada ainda.

P.: Considera que a governabilidade de Lula com os parlamentares recém eleitos será mais complicada?

HM: Lula tem capacidade de liderança e negociação e o centrão sempre negociou. São profissionais da política e não vão radicalizar, pela minha experiência.

P.: Mesmo se não for possível pôr fim ao orçamento secreto?

HM: Terá de haver uma negociação.

*

RAIO-X | Henrique Meirelles, 77

Formado em engenharia civil pela USP, com MBA em Administração na UFRJ e Advanced Management Program na Harvard Business School, além de doutor (título honorário) pelo Bryant College. Atuou no BankBoston durante 28 anos, onde chegou à presidência global nos EUA; eleito deputado federal por Goiás em 2002; presidente do Banco Central do Brasil (2003-2011); presidente da Autoridade Pública Olímpica (2011-2015); ministro da Fazenda (2016-2018) e secretário de Fazenda e Planejamento de São Paulo (2019-2022).