Mercado fechará em 42 mins
  • BOVESPA

    123.321,54
    +1.520,75 (+1,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,64
    +161,32 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,22
    -2,73 (-3,69%)
     
  • OURO

    1.819,50
    +2,30 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    39.705,20
    -1.125,22 (-2,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    971,43
    +10,54 (+1,10%)
     
  • S&P500

    4.396,76
    +1,50 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.914,00
    -21,47 (-0,06%)
     
  • FTSE

    7.081,72
    +49,42 (+0,70%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    14.989,50
    +33,75 (+0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1190
    -0,0690 (-1,12%)
     

Cosmonautas ainda procuram vazamento na Estação Espacial

·2 minuto de leitura
Cosmonautas ainda procuram vazamento na Estação Espacial
Cosmonautas ainda procuram vazamento na Estação Espacial

Um vazamento vem dando dor de cabeça aos cosmonautas, como os astronautas são chamados na Rússia, presentes na Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês). De acordo com a impressa russa, os profissionais ainda não sabem onde está o problema, detectado pela primeira vez em setembro de 2019.

De acordo com a agência de notícias estatal russa RIA Novosti, o vazamento fez com que ar escapasse do segmento russo da ISS. Pouco mais de um ano depois, os cosmonautas fizeram um experimento para identificar e localizar o vazamento.

Leia mais:

Os russos “derramaram” chá no ambiente e deixaram o líquido solto, flutuando no local. Assim, em março deste ano, os cosmonautas usaram substâncias adesivas para remendar as duas rachaduras encontradas, cada uma com menos de um milímetro de largura.

Mas, as correções não foram suficientes e o laboratório em órbita mostra os sinais da idade. Segundo a RIA, o segmento da Rússia na Estação Espacial ainda está vazando ar. Pyotr Dubrov, cosmonauta locado na estação atualmente, passou um tempo trabalhando na investigação da câmera de transferência do segmento russo em busca de outros buracos.

Como votar no Olhar Digital no segundo turno do Prêmio Influency.me.

O cosmonauta russo Pyotr Dubrov (em caminhada espacial na foto) é quem tenta identificar os vazamentos internos. Imagem: ESA/Thomas Pesquet
O cosmonauta russo Pyotr Dubrov (em caminhada espacial na foto) é quem tenta identificar os vazamentos internos. Imagem: ESA/Thomas Pesquet

Dubrov não conseguiu encontrar as rachaduras, usando um detector de fluxo de ar. Contudo, não há motivo para grande preocupação, pois a taxa de vazamento é muito baixa e não representa perigo para a tripulação presente na ISS.

Até porque a equipe vai precisar passar um fim de semana inteiro no segmento russo no próximo mês, enquanto as escotilhas da ISS forem fechadas para monitoramento da pressão do ar.

A Nasa não comentou os relatórios da RIA. Especialistas, por sua vez, sugerem que as rachaduras são referentes à fadiga do metal ou de impactos de micrometeoritos na parte externa da Estação Espacial.

Via: Futurism

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos